Sindicatos prometem greve GERAL nesta sexta-feira em Manaus

Funcionários de serviços de saúde, segurança, transporte público e educação prometeram aderir à paralisação, hoje, em Manaus, em protesto contra as reformas previdenciária e trabalhista, acompanhando movimento paredista em todo o País. Os grevistas prometem se reunir, na tarde desta sexta-feira (28), na Praça Heliodoro Balbi, conhecida popularmente como ‘Praça da Polícia’, no Centro de Manaus, e seguem em passeata pelas ruas próximas à praça.

De acordo como secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Manaus (STTRM), Élsio Campos, a paralisação dos rodoviários inicia às 4h. Élsio afirmou que a paralisação pode ocorrer somente no período da manhã e a duração da categoria no movimento grevista será decidida ao longo do dia de hoje. “Se a categoria estiver disposta, uma porcentagem permanece atuando”, afirmou Élsio. Na última quarta-feira (26), o STTRM informou que a categoria iria paralisar 70% da frota.

A afirmação do secretário-geral do sindicato é uma resposta ao anúncio do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) que informou, na tarde de ontem, ter conseguido uma liminar na Justiça para evitar que os rodoviários paralisassem a frota de ônibus. Conforme o Sinetram, a liminar determina que a categoria dos rodoviários opere em, pelo menos, 70%, nos horários de pico, e 50%, nos demais horários, além de proibir que o STTRM impeça a saída dos rodoviários das garagens das empresas de transporte público. O Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT11) informou que também aderiu à greve.

Técnicos de enfermagem, enfermeiros, técnicos de raios x e outros auxiliares administrativos que trabalham nos principais hospitais da cidade também vão paralisar as atividades, segundo informou a diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Serviço de Saúde do Estado do Amazonas (Sindipriv-AM), Graciete Mouzinho.

Segundo Graciete, os funcionários que vão participar da paralisação atuam em hospitais, como Hospital e Pronto-Socorro Dr. Platão Araújo, zona leste, Hospital e Pronto-Socorro Dr. João Lúcio, zona leste, e Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, zona centro-sul.

Sem aula

A categoria dos professores de escolas públicas também informou ter aderido à greve. Segundo o secretário de organização do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam), Cleber Ferreira, não haverá aula nas escolas públicas municipais e estaduais. “Vai ser uma aula pública contra as reformas”, disse.

De acordo com Cleber, são 34 mil professores no Amazonas. Desses, segundo ele, 17 mil estão na capital do Estado atuando em 700 escolas municipais e estaduais. “Quem deve ficar na escola é diretor, secretária, mas aula mesmo (para os 510 mil alunos) será suspensa”, afirmou o sindicalista.

O presidente do Sindicato dos Vigilantes de Manaus (Sindevam), Vanderli Bernardo, afirmou que 30% dos vigilantes vão permanecer trabalhando e estarão distribuídos por agências bancárias da capital. No entanto, segundo Vanderli, não haverá vigilantes trabalhando nos bancos do Centro da capital. “Vamos parar todas as agências do Centro”, disse.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários do Amazonas, Nindberg Barbosa, os bancários vão participar da greve a partir de 7h. “Até as 15h, de amanhã (hoje), os bancários estão convocados à greve”, disse. 

Greve 

De acordo com o secretário de Organização e Política Sindical da Central Única dos Trabalhadores (CUT), no Amazonas, Berenício Lima, a greve inicia às 4h com a paralisação dos rodoviários e segue até o fim da tarde de hoje. 

Segundo Berenício, a CUT Amazonas segue orientações da greve nacional que protesta contra as reformas trabalhista e previdenciária.

Órgãos públicos irão funcionar normalmente durante ato

A Prefeitura de Manaus, o governo do Estado do Amazonas, o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) e a Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) informaram que haverá expediente normal, nesta sexta-feira. 

A Prefeitura informou que, para evitar prejuízos à população, fiscais da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) estarão nas garagens e terminais de integração, desde as primeiras horas da manhã, para acompanhar a operação das linhas de ônibus.

O governo do Estado informou que todas as repartições vão funcionar normalmente. 

O TJAM apontou que pese o legítimo direito de manifestação da sociedade, o Poder Judiciário, como atividade pública essencial, não pode e não irá aderir a qualquer tipo de paralisação. Informou que 1º de maio as atividades serão suspensas devido ao feriado nacional. A DPE-AM, também, não terá atividade dia 1º e, hoje, atende, normalmente, das  8h às 14h. Com informações D24

ver mais notícias