PL que proíbe flanelinhas em vias públicas de Manaus tem parecer favorável da Comissão de Justiça na CMM

O fim do exercício da ‘profissão’ pode acontecer nos próximos dias, caso o PL 131/2014 seja aprovado pela maioria dos vereadores. A medida pode ser votada a qualquer momento na CMM - foto: Marcio Melo

O fim do exercício da ‘profissão’ pode acontecer nos próximos dias, caso o PL 131/2014 seja aprovado pela maioria dos vereadores. A medida pode ser votada a qualquer momento na CMM – foto: Marcio Melo

“As atividades ilegais de guardadores e lavadores de carro, conhecidos como ‘flanelinhas’, estão com os dias contatos”. É o que afirma o vereador Ednailson Rozenha (PSDB), após o Projeto de Lei (PL) 131/2014, de sua autoria, receber parecer favorável na 2ª Comissão de Constituição e Justiça Regional (CCJR) da Câmara Municipal de Manaus (CMM), na manhã desta quarta-feira (9).

 

O fato repercutiu nas redes sociais, após a divulgação de uma publicação com a imagem do vereador Mário Frota (PHS), presidente da CCJR, na qual o parlamentar comemora o parecer favorável do PL.

Ednailson Rozenha aproveitou a ocasião para comemorar o feito e mandar um recado para todos os cidadãos, principalmente os motoristas. “Aprovamos por unanimidade o parecer favorável da CCJR ao PL que, praticamente, proíbe a atividade de flanelinhas nas vias públicas da nossa cidade. Agora falta pouco para a nossa gente poder estacionar em paz, sem ser coagido e ameaçada por ninguém”, afirmou o parlamentar.

O fim do exercício da ‘profissão’ pode acontecer nos próximos dias, caso o PL 131/2014 seja aprovado pela maioria dos vereadores. A medida pode ser votada a qualquer momento na CMM.

Relembre o caso

Nesta última terça-feira (8), o Portal EM TEMPO noticiou a tramitação do projeto na Câmara Municipal de Manaus (CMM) e o caso ganhou grande repercussão. Por meio do Facebook, muitas pessoas deram opiniões positivas sobre a aprovação do PL e classificaram de forma negativa a atuação dos ‘flanelinhas’.

O motorista Jander Colares denunciou que em todas as ruas do Centro da cidade, Zona Centro-Sul, flanelinhas cobram por estacionamento de veículos em locais públicos.
“Quem quer ir fazer compras não tem onde estacionar, pois eles colocam latas, madeiras e pedras nas vagas livres. E quando tem show na Arena da Amazônia, Zona Centro-Oeste, eles cobram, antecipadamente, o valor de R$ 20 para estacionar. Tem que por ondem na casa mesmo”, informou.

James Moraes, leitor do Portal EM TEMPO, justifica que o trabalho do flanelinha não garante a integridade do veículo. “Se tentarem roubar o carro, o que o flanelinha vai fazer? Vai pegar a identidade do ladrão? Não, não vai fazer nada, pois não é polícia. Prefiro pagar um estacionamento rotativo do que dar dinheiro para vagabundo não fazer nada”, destacou.

Em meio as críticas, outro leitor, identificado como Gibson Sodré, avalia como ‘belo’ o PL, mas na prática teme que, infelizmente, não se concretize. “No campo das ideias, ele funciona perfeitamente, mas com o aparato que temos, atualmente, torna-se impossível a fiscalização dessa prática. É esperar e torcer para dar certo”, finaliza.

Associação defende flanelinhas

Sobre este assunto, Henrique Santos, presidente da Associação dos Guardadores e Lavadores do Estado do Amazonas (Aglam), informou à equipe de reportagem do Portal EM TEMPO que pretende reunir com o prefeito reeleito, Arthur Neto (PSDB), para estabelecer estratégias que possam realocar em locais autorizados os trabalhadores filiados à entidade. O objetivo é que a renda dos profissionais não seja afetada com a aprovação do PL.

Flanelinhas tomaram o Centro de Manaus nos últimos anos - foto: Marcio Melo

Flanelinhas tomaram as princiais ruas e avenidas do Centro de Manaus nos últimos anos – foto: Marcio Melo

“Sabemos da falta de emprego e dinheiro que atualmente existe na cidade. São muitas pessoas recorrendo aos serviços de guardador de carro, justamente, para tentar um sustento. É importante frisar que existem 1223 trabalhadores cadastrados em nossa associação, todos devidamente identificados e regulares com a lei”, destacou.

Isac Sharlon
Portal EM TEMPO

ver mais notícias