Pais e alunos protestam a favor da cobrança de taxas em colégios da Polícia Militar

125912_697x437_crop_583cb10867cb8Pais, alunos e professores das oito unidades do Colégio Militar da Polícia Militar (CMPM) realizaram uma manifestação, na tarde desta segunda-feira (28), na Praça Heliodoro Balbi, conhecida como Praça da Polícia, no Centro de Manaus, contra a recomendação do Ministério Público (MP) para que não sejam cobradas taxas dos pais de alunos dos colégios da Polícia Militar. Segundo a Associação de Pais e Mestres, cerca de 200 pessoas participaram do ato.

De acordo com Gisele Santos, 39, membro do Conselho Fiscal da Associação, a taxa cobrada por eles, de R$ 40, não é obrigatória e é usada para serviços nos colégios. “Queremos chamar atenção do MP para que a associação continue atuando nas escolas, para melhoria na educação dos próprios alunos. O dinheiro é usado para manutenção nos ar condicionados, compra de água para a escola, quando falta, e outros serviços”, disse Gisele, acrescentando que a associação nõ é formada por policiais, mas sim por pais de alunos, professores e pedagogos das escolas.

A enfermeira Elaine Cavalcante, 47, mãe de dois alunos que estudam no CMPM, diz que é a favor da cobrança. “Não vejo absurdo nenhum ao cobrar R$ 40, pelo contrário, o dinheiro está sendo investido na educação dos meus filhos”, disse.

A Polícia Militar informou, por meio de nota, que as cobranças não são feitas pelos diretores das escolas, mas sim pela Associação dos Pais e Mestres (APMC), que se trata de uma instituição privada. A PM informou, ainda, que o Comando da Polícia Militar do Amazonas, diante das recomendações feitas pelo Ministério Público, está estudando uma maneira de acatar os pedidos sem que prejudique os colégios.

ver mais notícias