19 familiares são flagrados com materiais proibidos em cadeias

Compaj, unidade onde ocorreu massacre em Manaus (Foto: Valdo Leão/ Secom) Secom, Manaus

Amazonas

Desde que as visitas foram liberadas nos dias 21 e 22 de janeiro no Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM) e Penitenciária Feminina de Manaus (PFM),  a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) disse ter flagrado de 19 familiares que tentaram entrar nas unidades com materiais proibidos.De acordo com o secretário de Estado de Administração Penitenciária, tenente-coronel da Polícia Militar do Amazonas, Cleitman Coelho, aproximadamente 80% das ocorrências resultaram no encaminhamento dos familiares a Distritos Integrados de Polícia (DIP).

“A maioria dos materiais apreendidos foram entorpecentes, que caracteriza um crime previsto no código penal. Por isso os familiares foram conduzidos a uma delegacia para os procedimentos cabíveis de flagrante. O segundo item mais apreendido com familiares foram celulares”.

Entre as ocorrências de material apreendido, 53% correspondem a entorpecente, sendo 22 porções de maconha e outros entorpecentes, e uma trouxinha. Além disso, foram apreendidos também sete celulares, três baterias de celular,  três chips,  três joias, um cabo USB,  um documento falso, um fone de ouvido e R$ 50 em espécie.

As unidades que mais registraram ocorrências com familiares foram o CDPM e o regime fechado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), com sete flagrantes cada. Em seguida vem a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa (CPDRVP), que, no último domingo (19), realizou o flagrante de três familiares que iriam entregar refeição pronta para os internos da unidade que ainda não está recebendo visitas no final de semana. A Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) registrou no período dois flagrantes de visitantes com objetos ilícitos.

Cleitman Coelho ressalta que todos os visitantes que foram flagrados do dia 21 de janeiro até o dia 19 de fevereiro, receberam uma punição administrativa, com a suspensão da autorização de visita por 30 dias.

Vidal Pessoa – A Cadeia Pública localizada no Centro de Manaus ainda não foi liberada para receber visitantes, por conta da estrutura da unidade e da falta de espaço para acomodar os familiares dos internos. A unidade, que funcionará até o mês de abril deste ano, está recebendo provisoriamente internos que estavam sendo ameaçados em outras unidades.

Os familiares estão entregando materiais de limpeza e higiene para os internos todas as terças-feiras. Desde o dia 11 de fevereiro, foi autorizado pela Seap que fossem entregues refeições prontas apenas nos fins de semana.

Atendimento de advogados – Os parlatórios nas unidades prisionais da BR-174 e UPP foram liberados para o atendimento dos advogados a seus clientes desde o dia 23 de janeiro. A Vidal Pessoa e o regime fechado do Compaj passaram por reformas e ajustes nas áreas do parlatório e estarão liberados a partir desta sexta-feira (24 de fevereiro). Fonte G1

ver mais notícias