Cacique é espancado brutalmente durante velório do neto no Acre

Crime ocorreu em Santa Rosa do Purus, interior do Acre. Três pessoas foram presas e devem ser levadas para o presídio.

Um cacique da etnia Kaxinawá sofreu uma tentativa de homicídio durante o velório do neto, no antigo pólo indígena, no Centro da cidade de Santa Rosa do Purus, a 300 km de Rio Branco. Três pessoas foram presas pelo crime e devem ser levadas para o presídio do município de Sena Madureira, interior do Acre.

Além do cacique, a mulher dele e outra pessoa também ficaram feridas. O caso ocorreu na madrugada de sexta-feira (10).

 

 

O responsável pelo posto da Polícia Civil na cidade, Francisco das Chagas, contou que os indígenas participavam do velório do neto de 1 ano e 10 meses do cacique.

Após ser acionado por telefone, Chagas disse que encontrou a mulher do cacique e um segundo indígena feridos no local. O cacique foi encontrado com várias pauladas em um matagal.

“A gente foi na casa dos infratores e constatamos que estavam todos lá. Conversamos com a família, que não queria que trouxéssemos eles. Não conseguimos localizar o cacique, então, voltei para o local e o achamos jogado em uma moita. Trouxemos ele até o hospital e a médica disse que era grave e então entendi que não era lesão corporal, mas sim tentativa de homicídio. Bateram mais na cabeça”, detalhou o agente.

Chagas disse que a motivação do crime não ficou clara, porém, os agressores relataram que foram xingados por dois indígenas quando retornavam de um bar.
Os suspeitos foram ouvidos e encaminhados para a audiência de custódia. Segundo o policial, o Judiciário também entendeu que os agressores tentaram matar o indígena e decretou prisão preventiva.
“Falaram que os índios começaram a xingar eles, que revidaram com xingamentos também. Aí começou uma briga generalizada. A esposa do cacique levou uma paulada e pegou sete pontos no dedo. Segundo ela, estava defendendo o marido. São índios aldeados mesmos. Vieram na cidade apenas para velar o neto do cacique”, finalizou.

Com informações G1
ver mais notícias