Tradicional táxi londrino busca seu próprio ‘Brexit’, de olho em Paris

LONDRES – Os tradicionais táxis pretos de Londres sequer esperaram a votação do referendo sobre a permanência na União Europeia e já estão procurando seu próprio Brexit, apresentando uma versão híbrida elétrica para Paris e outras grandes cidades da Europa.

A London Taxi Co., que produz a maioria dos táxis da cidade, mostrou o protótipo TX5 em Paris, nesta quinta-feira. O carro é movido por motores elétricos com um gerador a gasolina para garantir uma autonomia maior. O objetivo é oferecer os veículos aos taxistas da capital francesa em 2018, e então expandir para cidades como Barcelona, Oslo, Amsterdã e Berlim.

O TX5 mantem a tradicional silhueta dos atuais TX4 equipados com motor turbodiesel da italiana VM Motori. É um design que descende diretamente dos Austin FX4 (1958-1997).

Com seu assento espaçoso para passageiros e a autonomia estendida, a London Taxi espera que o modelo faça sucesso no continente em meio à incerteza sobre o futuro do Reino Unido, caso o referendo aprove o chamado Brexit. O táxi, com seu design antigo, tem como alvo os centros urbanos, onde a qualidade do ar é um problema cada vez maior. Paris vai banir de suas ruas veículos com mais de 20 anos, a partir do mês que vem.

— Muitas das maiores cidades da Europa têm um problema de poluição do ar — afirmou Peter Johansen, chefe da London Taxi, que foi comprada pelo grupo chinês Geely (dono também da sueca Volvo) em 2013.

Para Johansen, a limitada lista de modelos existentes “é o que parou, até agora, a adoção de veículos elétricos como os principais modelos de táxis”.

A apresentação do TX5 é parte de um programa de US$ 400 milhões que inclui uma nova fábrica perto de Coventry, na Inglaterra. Além de mirar nos taxistas tradicionais, a London Taxi também quer oferecer seu modelo para aplicativos de carona paga, como o Uber e seus concorrentes.

A empresa — que está confiante, mesmo caso o Reino Unido saia da UE — disse que o custo de ter o veículo o tornaria atrativo, mas não deu detalhes sobre o preço ou a autonomia.

ver mais notícias