Temer procura Renan em busca de apoio por corte de ministérios

BRASÍLIA — O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o vice-presidente Michel Temer se reuniram na tarde terça-feira na residência oficial do Senado. O encontro durou 1h10 e contou com a participação do senador Romero Jucá (PMDB-RR) , justamente para fazer a reaproximação entre os dois. Na pauta, estavam a votação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff nesta quarta-feira e a busca por apoio para o corte de dez ministérios que Temer pretende promover num eventual futuro governo.

— O vice-presidente Michel Temer apresentou a nova configuração com a redução de dez ministérios. Essa proposta tem o apoio integral do Senado, do presidente Renan, de todos nós que sempre lutamos para que a máquina pública pudesse ser diminuída — afirmou o presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR), que participou da reunião.

Segundo Jucá, o encontro, que foi uma iniciativa de Temer, também serviu para o vice-presidente se inteirar do rito do impeachment depois da votação de quarta-feira no Senado.

O presidente do PMDB disse que Renan informou que, em caso de aprovação da admissibilidade do processo de impeachment no Senado, a presidente Dilma Rousseff será notificada na quinta-feira e deverá deixar o cargo imediatamente. Temer assume em seguida de forma interina.

Na reunião desta terça-feira, foram debatidos ainda assuntos de interesse do futuro governo que precisam da aprovação do Congresso.

— A redução da meta fiscal tem até o dia 22 para ser aprovada e vai ser preciso um esforço do Congresso e do presidente Renan para fazer essa convocação — contou Jucá.

ATUAÇÃO DE RENAN

Renan vinha sendo considerado “aliado” de Dilma pelo grupo de Temer, mas ontem foi firme ao ignorar a manobra do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão, de querer anular o processo. Inicialmente, a informação era que o encontro seria realizado no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente.

O Senado marcou a sessão de votação da abertura do processo de impeachment para as 9h desta quarta-feira. Renan quer concluir a votação no mesmo dia.

Nesta terça-feira, o Senado realiza sessão para votar a cassação do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS). A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) voltou atrás e aprovou, à noite, o parecer do relator Ricardo Ferraço (PSDB-ES), favorável à cassação.

Também nesta terça, o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva almoçou com Dilma no Palácio da Alvorada. Os dois discutiram estratégias políticas e a conjuntura após o afastamento de Dilma pelo Senado nesta quarta-feira, que é dado como certo.

ver mais notícias