SP tem atos ainda tímidos sobre impeachment

SÃO PAULO — Manifestantes pró e contra o impeachment começam a se mobilizar em São Paulo para votação de domingo na Câmara. Um grupo de pessoas que defende o afastamento da presidente Dilma Rousseff está acampado na Avenida Paulista, em frente à sede da Federação das Industrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

As barracas estão montadas no local desde 16 de março, quando o juiz Sérgio Moro liberou os sigilos sobre grampos telefônicos de conversas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Neste sábado, os manifestantes têm abordado pedestres que caminham pela avenida para convencê-los a apoiar o impeachment. Por volta das 16h, um grupo de motociclistas se juntou aos acampados e bloqueou parte da avenida. Policiais militares já fazem a segurança no local.

Os manifestantes contrários ao governo circulam com bonecos de Lula e Dilma vestidos de presidiários e exibem faixas com inscrições a favor do afastamento da petista. “Não vai ter golpe, vai ter impeachment”, dizia uma delas.

Neste domingo, está programado para a Paulista uma manifestação de vários grupos favoráveis ao afastamento da presidente. Serão montados dois telões para acompanhar a votação na Câmara. Os manifestantes favoráveis ao PT vão se reunir no Vale do Anhangabaú, na região central da cidade. No local, também haverá telão.

Na praça do Patriarca, centro de São Paulo, deve acontecer nesta tarde um arrastão de blocos carnavalecos. Organizado por redes sociais, os blocos deveriam se concentrar com militantes se revezando entre marchinhas e discursos pró governo.

ver mais notícias