CM7

 
Manaus, 24 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Últimas Notícias / Brasil / Renan tentou barrar recondução de Janot, diz Machado

Renan tentou barrar recondução de Janot, diz Machado

Da redação | 16/06/2016 14:10

BRASÍLIA — Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, disse, em delação premiada, que o presidente do Senado, Renan Calheiros, tentou impedir a recondução de Rodrigo Janot ao cargo de procurador-geral da República, para tentar barrar o avanço da Lava-Jato. Mas recuou da manobra porque “ninguém é mosqueteiro” na política, o que significa, conforme o depoimento, que “Renan não quis ir contra a voz rouca das ruas”.

A suposta tentativa de Renan de evitar a recondução de Janot na Procuradoria-Geral da República (PGR) já havia sido revelada por um áudio gravado por Machado e divulgado no fim de maio. Na conversa, Renan diz que tentou evitar a permanência de Janot no comando da PGR, mas disse que “estava só”.

SÉRGIO MACHADO: Agora uma coisa eu tenho certeza: sobre você não tem nada ainda.

RENAN CALHEIROS: Nesse mistério todo, a gente nem sabe por que eles vivem nessa obsessão.

SÉRGIO MACHADO: Hoje, eu acho que vocês não poderiam ter reconduzido esse b***, não. Aquele cara ali…

RENAN CALHEIROS: Quem?

SÉRGIO MACHADO: Ter reconduzido o Janot. Tinha que ter comprado uma briga ali.

RENAN CALHEIROS: Eu tentei… Mas eu estava só.

Para ser reconduzido, Janot precisou passar pela aprovação do Senado. Com os desdobramentos da Lava-Jato, o procurador-geral enfrentou resistências abertas, como a do ex-presidente da República e senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL), denunciado na Lava-Jato, e veladas. Após sabatina de mais de 10 horas na Comissão de Constituição e Justiça, a recondução foi aprovada por 59 votos contra 12 no plenário do Senado.

A delação de Machado envolveu 24 políticos de nove partidos. Além de Renan, entre os citados está o senador Aécio Neves (PSDB-MG); o senador Romero Jucá (PMDB-RR), ex-ministro do Planejamento do governo interino; e o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP). O PT, partido da presidente afastada Dilma Rousseff, teve cinco políticos citados. A PGR ainda vai analisar se pedirá abertura de inquérito para investigar o caso que envolve o presidente em exercício

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA