Proibição para assumir cargo no governo não valeu, diz Mauro Lopes

BRASÍLIA – Cotado para ser ministro da Secretaria de Aviação Civil, o deputado Mauro Lopes (PMDB-MG) disse ao GLOBO que a moção aprovada na convenção do partido neste sábado que proíbe peemedebistas de assumirem novos cargos no governo “não tem nenhum valor” e que sua decisão será tomada independentemente do que deseja o partido.

– Só pode deliberar o que estiver no edital. O resto, são apenas propostas. Para ter validade, tem que ser assinada por quem é convencional ou que tenha mandato e voto. Vai ter que ser encaminhada para a Executiva, não adianta eles quererem que assim não vale nada – disse.

Mauro Lopes disse que já foi convidado para ser ministro e que aguarda a publicação de sua nomeação no Diário Oficial da União. O deputado pretende conversar com o vice-presidente Michel Temer sobre o tema e diz acreditar que contará com seu apoio.

– Já fui convidado. Tenho confiança sem limite no Michel Temer e vou conversar com ele depois do resultado da convenção. Sei do equilíbrio e da responsabilidade que ele tem com o país. Vamos decidir com elegância e lealdade ao governo.

O deputado disse que tomará sua decisão independente do PMDB.

— Eu não sou movido sob pressão. Tenho bastante idade e já exerci cargos de confiança de grande relevância. Tenho toda a liberdade de tomar decisão, inclusive decisão independente do PMDB. Sou obediente ao partido, mas dada minha história de vida, tenho independência para decidir, não tenho problema nenhum – afirmou.

Mauro Lopes minimizou a aprovação da moção, que ocorreu quando o plenário já estava esvaziado pelos convencionais e muitos militantes do partido pediam o rompimento com o governo.

– Isso aí é o calor da emoção e das discussões. Tem que entender que estamos vivendo um momento muito difícil no país. Mas temos que dar governabilidade até 2018 – pontuou o deputado ao GLOBO.

ver mais notícias