CM7

 
Manaus, 24 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Últimas Notícias / Brasil / PM e manifestantes entram em confronto após ocupação de escritório da Presidência em SP

PM e manifestantes entram em confronto após ocupação de escritório da Presidência em SP

Da redação | 01/06/2016 17:50

SÃO PAULO. Policiais militares e manifestantes entraram em confronto, na tarde desta quarta-feira, na Avenida Paulista, após o prédio onde fica o escritório da Presidência da República em São Paulo ser ocupado.

Cerca de 300 manifestantes, de acordo com a Frente Povo Sem Medo, entraram no prédio por volta das 15h. Segundo testemunhas, a confusão começou por volta das 16h30, no lado de fora do edifício, quando um dos manifestantes soltou um rojão e foi detido. Em seguida, um grupo cercou os policiais, que reagiram com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha. Os manifestantes responderam atirando lixo e tijolos na direção dos policiais. Cinco pessoas foram detidas.

A ocupação do hall do prédio da Presidência continua. Os manifestantes não conseguiram chegar até o escritório da Presidência, que fica no 17º andar. O grupo protesta contra os cortes no programa Minha Casa Minha Vida e montou um acampamento na avenida. Além disso, segundo Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto, o protesto também é uma resposta à repressão da Polícia Militar no ato em frente à casa do presidente interino Michel Temer. no último dia 23.

– É um absurdo o que a PM fez aqui. O acampamento está montado e vai ficar aqui por tempo indeterminado. Se eles quiserem tirar, que tirem à força e arquem com o ônus. Não vamos arredar pé – disse Boulos.

O líder dos sem teto afirmou ainda que a ideia é ficar na Paulista até que o governo Temer reveja a decisão de cancelar a contratação de 11.250 unidades do Minha Casa Minha Vida, que havia sido anunciada pela presidente Dilma Rousseff dias antes de ser afastada do cargo.

A Frente Povo Sem Medo reúne entidades do movimento social, dentre elas o MTST, a União da Juventude Socialista (UJS) e a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB). No início da semana, alegando restrições orçamentárias, o governo de Michel Temer decidiu acabar com os subsídios concedidos aos mutuários mais pobres do Minha Casa Minha Vida. (*estagiário com supervisão de Flávio Freire)

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA