Planalto acredita que reverterá até 30 votos em seu favor até domingo

BRASÍLIA — Em uma segunda rodada de reunião com governadores em dois dias, a presidente Dilma Rousseff escalou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e o vice-líder do governo na Câmara Sílvio Costa (PTdoB-PE) para anunciar que o governo reverteu a tendência pró-impeachment e agora conta com todos os votos de que precisa para barrar o impeachment, com margem. Segundo Costa, que mostrou um papel dobradinho dentro do bolso com uma tabela de votos, todos os placares já divulgados estão errados. Dino afirmou que, até domingo, o governo terá de 20 a 30 votos revertidos a seu favor.

Encontraram com Dilma também os governadores do Amapá, Waldez Góes (PDT); da Paraíba, Ricardo Coutinho (PB); do Ceará, Camilo Santana (PT) e da Bahia, Rui Costa (PT). Todos eles trouxeram consigo para falar com Dilma deputados de seus estados. O governo acha que, com o reforço dos governadores, Dilma volta a respirar.

— O clima melhorou muito nos últimos dias. Há um entendimento claro, muito nítido, de que a suposta avalanche que havia na direção de apoio ao impeachment não se verificou. Ao contrário, nós temos uma tendência de reversão de expectativa nesse momento — declarou Flávio Dino.

— Nós já ultrapassamos o número de votos de 172, estado por estado. E temos ainda uma coluna que a gente chama “a trabalhar”. Temos 36 votos a trabalhar. Estamos bem acima da margem de erro. Hoje detectamos um desespero grande na oposição — emendou Sílvio Costa depois dele, sem querer especificar o número exato que o governo acredita já contar:

— Gramaticalmente, mais é mais.

Por meio de sua assessoria, o ministro chefe do Gabinete Pessoal de Dilma, Jaques Wagner, apostou:

— Hoje o governo voltou a contar com 200 votos contra o impeachment.

Desde ontem, a presidente tem arregimentado os governadores para atuar junto às bancadas estaduais para conversar com cada deputado na tentativa de reverter votos já declarados a favor do impeachment e convencer os indecisos a apoiar Dilma. Segundo Dino, no Amapá e no Maranhão de seis a sete votos a favor do impeachment foram revertidos em votos contra. Segundo o Planalto, a bancada da Bahia veio com 19 representantes, todos declararam voto contra o impeachment. Entre os deputados baianos, auxiliares de Dilma contabilizam contar com 24, dos 39.

Uma reversão simbólica que o governo comemora é a de Waldir Maranhão (PP-MA), aliado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que já havia declarado voto pelo impeachment, mas hoje esteve no Planalto para dizer a Dilma que votará contra.

Dino afirmou que, se o impeachment for aprovado, a população só terá “solução para seus problemas” a partir de 2017, com a “paralisação completa” do Brasil.

— Há uma ilusão de que se eventualmente o impeachment fosse autorizado no domingo, na segunda-feira nós teríamos condições melhores de governabilidade. Ao contrário, nós acreditamos que haveria uma situação muito grave, de uma dualidade de poderes, porque nós teríamos o governo da presidenta Dilma de um lado, por pelo menos mais 30 dias, e de outro um hipotético futuro governo. Depois nós teríamos ainda um longo processo de tramitação no Senado, de quatro, cinco, seis meses em que o Senado passa a ser presidido pelo Supremo Tribunal Federal — declarou o comunista.

ver mais notícias