CM7

     
 
 
Manaus, 17 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Últimas Notícias / Brasil / Petrobras é a ‘a madame mais honesta dos cabarés do Brasil’, diz Sérgio Machado

Petrobras é a ‘a madame mais honesta dos cabarés do Brasil’, diz Sérgio Machado

Da redação | 15/06/2016 16:40

BRASÍLIA – Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, empresa subsidiária da Petrobras, reconheceu pagamentos milionários de propina na estatal, mas disse que há casos piores, com outros órgãos estatais possuindo “práticas menos ortodoxas”. Segundo suas próprias palavras, a Petrobras é “a madame mais honesta dos cabarés do Brasil”.

Questionado sobre o significado da frase, ele esclareceu que, com isso, quis dizer que “era um organismo estatal bastante regulamentado e disciplinado”. Em seguida citou vários órgãos estatais com práticas menos ortodoxas: o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Docas, Banco do Nordeste, Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS).

Além de presente em várias empresas e órgãos públicos, Machado destacou que o esquema é antigo. Segundo o termo de depoimento prestado em 6 de maio, “indagado se deseja acrescentar algo mais, destacou que o esquema ilícito de financiamento de campanha e de enriquecimento ilícito desvendado pela Lava-Jato ocorre desde de 1946 e este é um momento de se alterar essa realidade, sendo esta uma das razões pela qual decidiu colaborar”.

Em outro ponto diz que “desde 1946 havia um padrão segundo o qual os empresários moldavam seus orçamentos com incorporação do conceito de ‘custo político’. Tal custo, segundo Machado, é calculado da seguinte forma: 3% do valor dos contratos entre empresas e governo federal, 5 a 10% no caso dos governos estaduais, e 30% nos municipais.

Machado também esclareceu o significado da expressão “pacto de Caxias”, citada por ele numa das conversas que gravou com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Segundo o termo de depoimento, “no trecho em que fala no ‘pacto de Caxias’, o depoente quis se referir a um pacote de medidas legislativas que representasse, concretamente, anistia ou clemência para os investigados na Operação Lava Jato”.

O ex-presidente da Transpetro também dá alguns detalhes sobre como gravou essas conversas. Segundo ele, foi seu filho, Expedito Machado da Ponte Neto, quem providenciou o dispositivo para gravar as conversas com políticos do PMDB. Expedito também firmou acordo de delação para colaborar com as investigações. Apesar de ter exposto caciques do partido, Machado disse não temer represálias de políticos. Em outro ponto, ele disse que “o mecanismo da delação premiada acabou com a lei do silêncio e com a tranquilidade”.


Notice: WP_Query foi chamado com um argumento que está obsoleto desde a versão 3.1.0! caller_get_posts está depreciado. Utilize ignore_sticky_posts no lugar. in /home/portalcm7/public_html/wp-includes/functions.php on line 4023
Voltar Avançar
Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA