Pedro Corrêa, em delação ainda não homologada pelo STF, cita corrupção desde o governo tucano

BRASÍLIA – O ex-presidente do PP Pedro Corrêa, condenado no mensalão, e envolvido no escândalo investigado pela Lava-Jato, fez acordo de delação premiada, mas ainda não homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O ex-deputado cita políticos de vários partidos e aponta esquema de corrupção desde o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e também nas gestões petistas. O ex-dirigente partidário cita Andrea Neves, irmã do presidente do PSDB, Aécio Neves, como operadora de propina. Andrea figura como uma das principais assessoras de Aécio e a responsável por conduzir as movimentações financeiras do tucano.

Segundo o jornal “Folha de S. Paulo”, a delação de Pedro Corrêa foi negociada por quase oito meses com a Procuradoria Geral da República (PGR). Um dos motivos para a demora na negociação seria o fato de haver pouca prova documental nas informações trazidas pelo político contra os citados.

Na colaboração de Corrêa, organizada em 70 anexos, o ex-parlamentar fala ainda em mesada para o também ex-deputado e atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Augusto Nardes. Os repasses teriam sido feitos entre 2003 e 2005, quando Nardes era deputado federal pelo PP, mesmo partido de Corrêa. A propina seria arrecadada pelo deputado José Janene (morto em 2010). O delator afirma que quando Nardes foi nomeado ministro do TCU, em 2005, foi destruído um recibo que comprovava o pagamento da propina em valores entre R$ 10 mil e R$ 20 mil.

FH, LULA E DILMA

Um dos anexos também cita o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que, segundo Corrêa, recebeu dinheiro de empresas para aprovar o projeto que permitiu haver reeleição no Brasil. Olavo Setúbal, do banco Itaú (morto em 2008), é citado como um dos que participaram do esquema. De acordo com o jornal, o anexo sobre o tema diz: “Olavo Setúbal dava bilhetes a parlamentares que acabavam de votar, para que se encaminhassem a um doleiro em Brasília e recebessem propinas em dólares americanos”.

Também há anexos sobre a presidente Dilma Rousseff e sobre o ex-presidente Lula. Em um dos capítulos sobre Lula, Corrêa traz relatos sobre uma conversa entre o petista e o então presidente da Petrobras José Eduardo Dutra (morto no ano passado) para tratar da nomeação de Paulo Roberto Costa para ser diretor da estatal. Também foram citados o ex-publicitário Marcos Valério, operador do mensalão, e o empresário Benedito de Oliveira, o Bené, ligado ao governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, do PT, e investigado na Operação Acrônimo da Polícia Federal.

OUTRO LADO

Ao jornal, os citados negaram as acusações feitas por Pedro Corrêa. Aécio Neves afirmou que sua irmã Andrea nunca conheceu ou teve qualquer contato com o ex-parlamentar. Aécio afirmou repudiar as “falsas acusações mais uma vez repetidas, sem indícios que possam minimamente comprová-las”.

O ministro Augusto Nardes, do TCU, classificou as referências a seu nome como uma “retaliação” de Pedro Corrêa, de quem seria adversário político dentro do PP.

Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso chamou de “ridículo” a citação a seu nome. E o presidente do Itaú, Roberto Setúbal, afirmou que seu pai era um homem “absolutamente ético” e que jamais se envolveu nas ações “covardemente” citadas por Corrêa. O Instituto Lula reafirmou que não comenta falatórios e “quem quiser levantar suspeitas em relação a Lula que apresente provas”.

ver mais notícias