No Pará, Dilma diz que não vai ficar esperando o ônibus passar

SANTARÉM (PA) – Em um discurso com forte apelo popular, a presidente Dilma Rousseff falou nesta quinta-feira durante a entrega de casas, que não ficará parada e pediu mobilização para defender seu mandato. Para uma planteia lotada de beneficiários do programa Minha Casa Minha Vida, chamou o vice Michel Temer de “usurpador de mandato” e voltou a acusá-lo de querer reduzir o programa Bolsa Família a 10 milhões de beneficiários. Dilma falou do vice sem citar seu nome.

Ela também reclamou mais uma vez que o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), faz o jogo do quanto pior melhor.

— Eu acho que estou sendo vítima de uma injustiça e isso não vai me desmobilizar não. Eu não vou ficar parada esperando o ônibus passar. Vou lutar pelo meu mandato porque tenho responsabilidade em reação à democracia do meu país — disse a presidente.

Em referência a uma fala de Temer que se assumir o cargo vai manter os atuais programas sociais, com foco nos 5% mais pobres no país, Dilma quis assustar a plateia afirmando que, se isso acontecer, cerca de 27 milhões de receptores do Bolsa Família serão excluídos do programa.

— Outro dia não sei se é verdade ou não, mas um dos consultores do vice-presidente, que é um usurpador de mandatos, disse que o Bolsa Família não poder como está sendo, e tem que ser só para 5% para a população mais pobre. Isso significa só 10 milhões de pessoas — afirmou Dilma, lembrando que hoje o programa atinge 47 milhões de pessoas.

Segundo a presidente, “o golpe” que está em curso se deve aos acertos de seu governo na área social. Fala parecida foi feita esta semana pelo ex-ministro da secretaria-geral da Presidência Gilberto Carvalho.

ver mais notícias