CM7

 
Manaus, 24 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Últimas Notícias / Brasil / Ministros do PMDB decidem tomar posição conjunta sobre governo Dilma

Ministros do PMDB decidem tomar posição conjunta sobre governo Dilma

Da redação | 21/03/2016 12:00

BRASÍLIA — Os ministros do PMDB se reuniram e decidiram que tomarão uma posição conjunta sobre a permanência ou não no governo e aguardarão a definição do partido no próximo dia 29. A ideia, segundo um deles, é respeitar a decisão do partido. Irritado com a nomeação de Mauro Lopes (Aviação Civil) mesmo depois de o partido ter decidido pela suspensão das nomeações por 30 dias, o presidente nacional do PMDB, o vice-presidente Michel Temer, antecipou para dia 29 uma reunião do comando nacional para debater a crise. Temer, segundo interlocutores, está em São Paulo e ainda não conversou com o ex-presidente Lula.

Segundo um dos ministros, o encontro foi na semana passada e eles decidiram tomar uma posição conjunta sobre a crise. A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, não participou do encontro. Ela é muito ligada à presidente Dilma Rousseff, mas teria entrado em conflito com Lula.

Mauro Lopes ainda não era ministro. Ele tomou posse na quinta-feira. A cúpula do PMDB não compareceu à cerimônia.

— Os ministros do PMDB terão uma posição conjunta e aguardarão a discussão e decisão do partido. A posição será partidária — disse um ministro.

O PMDB tem sete ministros: Eduardo Braga (Minas e Energia), Marcelo Castro (Saúde), Henrique Eduardo Alves (Turismo), Celso Pansera (Ciência e Tecnologia), Kátia Abreu (Agricultura) e agora Mauro Lopes (Aviação Civil).

LULA MOBILIZA ALIADOS

Desde a semana passada, o ex-presidente Lula vem mobilizando aliados para tentar evitar a aprovação de abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso. Lula está telefonando para vários parlamentares, como o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e outros aliados. Aliados disseram a Lula, como antecipou o site de O GLOBO, que ele precisava “resolver o problema do PMDB”. A ideia seria dar mais cargos ao partido.

OPOSIÇÃO REAGE

Mas a oposição acredita que não há mais espaço para isso. O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), disse ao GLOBO na semana passada que o governo não tem mais o que oferecer ao PMDB, e aos aliados. O Palácio do Planalto, e o ex-presidente Lula na articulação, acenam com mais cargos e verbas para tentar manter a base aliada e evitar o impeachment.

— O governo não tem mais o que dar. Já abriu as pernas, já deu o que tinha que dar! — disse ele.

Ele ainda tem mantido conversas com a cúpula do PMDB. E cobrou do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), uma posição sobre a crise. O tucano disse “é notório” que Renan ainda é aliado do governo e acredita numa solução para a crise com a petista no cargo, mas acredita que o presidente do Senado acabará cedendo “à ventania das ruas”. Para ele, o processo de impeachment chegará ao Senado em, no máximo, 40 dias.

Perguntado se Renan sairia do “muro”, Aécio respondeu:

— Acho que está havendo uma ventania tão forte que, na hora em que ele ver, ele vai estar do outro lado do muro.

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA