Marina diz que Dilma e Temer são ‘irmãos siameses’

BRASÍLIA — A ex-senadora e candidata à presidência da República em 2014, Marina Silva (Rede-AC), defendeu, nesta segunda-feira, o processo de impeachment de Dilma Rousseff, mas reafirmou que a melhor saída para a atual situação política do país seria a realização de uma nova eleição presidencial. A porta-voz oficial do partido também atacou a chapa vencedora das últimas eleições e disse que Dilma e Temer são “irmãos siameses”.

— Defendo novas eleições por compreender que o processo de impeachment que está em curso tem base de legalidade. Não é golpe, mas não alcança a finalidade de resolver o problema. O PT e o PMDB; a presidente Dilma e o vice, Michel Temer, são irmãos siameses. Portanto, não se pode imaginar que uma parte do fruto estragado pode ser removido e a outra parte possa ser usada como alimento — declarou a ex-senadora.

Marina anunciou que seu partido, o Rede Sustentabilidade, entrou, na última terça-feira, com aditamentos em quatro processos que o PSDB abriu em 2015 no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), contra a chapa de Dilma e Temer. A alegação dos partidos é que a chapa praticou abuso de poder econômico e político. Marina citou, inclusive, um possível uso de dinheiro proveniente do esquema de desvios da Petrobras, além da suspeita de que o PT possa ter usado a máquina pública em favor da reeleição de Dilma.

— A defesa de uma nova eleição está inteiramente calçada na Constituição brasileira em um julgamento no TSE, com a comprovação de um dinheiro ilícito do petrolão para a chapa vencedora. Se tivermos a cassação, poderá ser convocada uma nova eleição.

Questionado se o movimento a favor de novas eleições encabeçada por Marina seria uma pré-candidatura da ex-senadora, José Gustavo, também porta-voz nacional do partido, afirmou que ainda não há nada certo para o partido. De acordo com ele, o partido ainda precisa se articular e montar uma chapa, já que tem no momento, tem “apenas doze segundos garantidos de propaganda no rádio e na televisão e quatro deputados federais”.

Antes da coletiva, Marina soltou uma nota afirmando que os eleitores é que devem decidir os rumos do atual cenário político. Segundo a ex-senadora, “a população tem o direito de dar a palavra final, agora sabendo de tudo o que ficou oculto em 2014, e escolher um novo governo para coordenar os imensos esforços que o Brasil terá de fazer para tirar o país da crise”.

*Estagiário sob supervisão de Paulo Celso Pereira

ver mais notícias