Líderes cobram que vice da CPI do Carf revele nomes sob suspeita de achaque

BRASÍLIA- Líderes partidários da Câmara cobraram nesta quinta-feira que o vice-presidente da CPI do Carf, deputado Hildo Rocha (PMDB-MA) revele os nomes do empresário – que teria sido vítima de achaque – e do deputado da comissão que teria tentado achacá-lo. Para eles, a denúncia publicada hoje pelo GLOBO é gravíssima e o interesse público deve vir em primeiro lugar.

— É uma denúncia gravíssima e tem que ser investigada pelos órgãos da República. É o que os brasileiros exigem. os nomes têm que ser revelados — afirmou o líder do PSDB, Antonio Imbassahy (BA).

— Ele disse que o empresário não quer se identificar, mas isso é de interesse público. Ninguém procura um deputado para fazer esse tipo de denúncia e fica no ar, sem prova material. Sabemos o histórico da Câmara em outras CPIs, é importante que tudo se esclareça — afirmou o líder do PSOL, Ivan Valente (SP), que também integra essa CPI.

Para Valente, assim como devem vir à tona os nomes dos envolvidos na denúncia, é preciso também que se apure as irregularidades do esquema de corrupção no Carf. Ele diz que o PSOL é favorável à aprovação dos requerimentos de convocação para que todos os que estejam sob suspeita de envolvimento, sejam ouvidos.

— Muitos alegam que não se deve aprovar convocações porque isso mexe com a economia, a bolsa de valores, mas exatamente 20 grandes empresas mexeram com 19 bilhões de reais, e é preciso apurar, chamar os presidente do Banco Safra, o Trabuco, do Bradesco,as grandes automobilísticas Gerdau, RBS. Queremos convocar todos — disse Ivana Valente, acrescentando:

— O empresário que se sentir achacado deve vir à CPI e denunciar. E deve depor e mostrar sua inocência.

Para o líder do PSDB, esse tipo de acontecimentos relativos à essa CPI que investiga denúncias tão graves são preocupantes e colocam sob suspeita o trabalho. Entre outros partidos, o PSDB deverá ser contra a prorrogação, por mais 60 dias, dessa comissão. O líder do PSOL, no entanto, é a favor da prorrogação como forma de apurar as denúncias.

— Para agora será desmoralizante tanto quanto a do Senado, onde ficou claro que houve uma mega blindagem. Mas a CPI tem que cuidar para que não haja nem achaque, nem blindagem. A melhor forma de fazer isso é aprovar os requerimentos e os que se sentirem achacados denunciarem.

ver mais notícias