João Santana é investigado também por campanha de Haddad

SÃO PAULO — O publicitário João Santana é investigado também pela Polícia Federal em São Paulo por suspeita de ter recebido pagamentos da Odebrecht em Angola para fazer campanha para o atual prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. A informação consta de relatório sobre as ligações entre o publicitário e a Odebrecht assinado pelo delegado da PF Filipe Pace.

O documento mostra proximidade entre o executivo da Odebrecht Jarbas Miranda de Sant’Anna com o publicitário, a quem chama de “amigo”. Numa troca de mensagem entre os dois, o executivo da Odebrecht também se refere ao vice-presidente de Angola, Manuel Domingos Vicente, como “nosso amigo MV.”

O delegado lembra que Nestor Cerveró, ex-diretor da área internacional da Petrobras e colaborador da Lava-Jato, citou Domingo Vicente num dos termos de delação. Domingos Vicente foi presidente do Conselho de Administração da Sonangol, a petrolífera angolana, e teria dito a Cerveró, em 2005, que dos R$ 300 milhões pagos pela Petrobras à Sonangol pela compra de blocos de petróleo na África, cerca de R$ 50 milhões foram destinados à campanha do PT de 2006, que reelegeu o ex-presidente Lula.

“Causa estranheza que as informações sobre o atual presidente e vice-presidente de Angola cheguem ao conhecimento de João Santana através de um executivo da Odebrecht”, diz o delegado.

O publicitário João Santana recebeu entre 2004 e 2015 R$ 193,9 milhões para fazer campanhas do PT. Da campanha de Haddad, em 2012, recebeu R$ 9 milhões entre agosto e novembro de 2012. Outros R$ 21 milhões foram pagos ao publicitário, em dezembro de 2013, pelo diretório municipal do PT em São Paulo. No total, são R$ 30 milhões destinados à campanha para prefeito de São Paulo.

O delegado ressalta que não há indícios de que os pagamentos feitos a João Santana sejam ilegais, mas ressalta que “há forte probabilidade de que a destinação” de que os pagamentos que o publicitário recebeu no exterior tenha origem na corrupção na Petrobras e possuam “vinculação direta aos serviços por eles desempenhados em favor do PT”.

Em nota, a assessoria do prefeito Fernando Haddad informou que ele não vai se pronunciar sobre as investigações que correm na Polícia Federal de São Paulo. A assessoria ressalta que “não há porque questionar a opinião do prefeito, uma vez que o próprio delegado Filipe Pace, da Polícia Federal do Paraná, deixou claro que não há indícios de ilegalidade nos pagamentos feitos a João Santana, no Brasil.

— No caso a gente identificou que a única fonte dele (João Santana) da qual ele recebeu muito dinheiro, tudo leva a crer no Brasil licitamente — afirmou Pace durante coletiva realizada nesta segunda-feira em Curitiba.

De acordo com a nota, o “contrato do publicitário João Santana com a campanha do prefeito Fernando Haddad foi acertado e pago totalmente em moeda nacional corrente. Como demonstra a prestação de contas devidamente apresentada ao Tribunal Regional Eleitoral”.

ver mais notícias