João Santana e a mulher chegam ao Brasil nesta terça-feira

RIO — O publicitário João Santana e a mulher dele, Mônica Moura, chegam ao Brasil na manhã desta terça-feira, um dia após o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal do Paraná, decretar a prisão temporária deles. O casal estava na República Dominicana, onde comandava a campanha à reeleição do presidente da República Dominicana, Danilo Medina.

João Santana é suspeito de receber US$ 7,5 milhões em contas no exterior entre 2012 e 2014. Os valores teriam sido pagos pela offshore Klienfeld, identificada pela força-tarefa da Operação Lava-Jato como um dos caminhos de propina da Odebrecht no exterior, e pelo engenheiro Zwi Skornicki, suspeito de operar o esquema de propina na Petrobras. A suspeita é de que os pagamentos correspondem a serviços eleitorais prestados ao PT.

Para o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal do Paraná, “por mais que tenham declarado ao Fisco” os valores, o casal “tinha conhecimento da origem espúria dos recursos” e ocultou valores que recebeu no exterior “mediante expedientes notoriamente fraudulentos”, como contas em nome de offshore e contratos falsos.

A 23ª fase da Operação Lava-Jato, batizada de Acarajé e realizada na segunda-feira, pode dar força às ações contra Dilma no TSE. A oposição pede a cassação da chapa da presidente em quatro ações no tribunal por supostas irregularidades ocorridas durante a disputa em 2014. Entre as acusações está a de que a campanha foi abastecida com dinheiro desviado da Petrobras.

Após ter a prisão decretada ontem, o marqueteiro renunciou ao comando da campanha de Danilo Medina. Na carta que encaminhou ao comitê nacional do Partido de la Liberación Dominicana (PLD), o publicitário fez a própria defesa e disse que o Brasil está vivendo um clima de “perseguição” e que as acusações contra ele são “infundadas”.

“Me dirijo a vocês porque, como é conhecido pelos meios de comunicação, acordei esta manhã com a notícia de que meu nome está sendo ligado a uma suposta trama relacionada com o financiamento de campanhas políticas no Brasil. Conhecendo o clima de perseguição que se vive hoje em meu país, não posso dizer que me tomou completamente de surpresa, mas ainda assim é difícil de acreditar”, explica Santana no início da carta, escrita em espanhol.

ver mais notícias