CM7

     
 
 
Manaus, 17 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Últimas Notícias / Brasil / Janot diz que Cunha era ‘um dos líderes’ de célula criminosa em Furnas

Janot diz que Cunha era ‘um dos líderes’ de célula criminosa em Furnas

Da redação | 03/05/2016 14:50

BRASÍLIA — O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou no pedido de abertura de novo inquérito contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que o peemedebista é um dos líderes de célula criminosa em Furnas, segundo o site G1. O pedido foi feito com base na delação do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS), um dos delatores da Operação Lava-Jato.

“Pode-se afirmar que a investigação cuja instauração ora se requer tem como objetivo preponderante obter provas relacionadas a uma das células que integra uma grande organização criminosa – especificamente no que toca a possíveis ilícitos praticados no âmbito da empresa Furnas. Essa célula tem como um dos seus líderes o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro”, diz Janot no pedido.

Janot pediu abertura de inquérito contra Cunha para investigar o suposto envolvimento do presidente da Câmara e do doleiro Lúcio Bolonha Funaro com desvio de dinheiro em contratos de Furnas. Cunha poderá ser investigado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O procurador-geral suspeita que Cunha tenha usado as medidas provisórias 396 e 450, entre 2007 e 2008, para favorecer os interesses dele e do amigo Funaro na venda de ações da companhia Energética Serra Carioca II para Furnas, em 2008. O negócio teria resultado em um prejuízo de R$ 73 milhões para a estatal, conforme revelou o GLOBO em janeiro de 2011.

Em janeiro de 1999, a Carioca II comprou um lote de ações do Grupo Gallway por R$ 6,9 milhões e, sete meses depois, repassou os papéis para Furnas por R$ 80 milhões, uma diferença de mais de R$ 73 milhões. Detalhe: um mês antes da compra das ações pela Carioca, Furnas registrara em ata renúncia ao direito de comprar as ações do Gallway. Ou seja, a estatal abriu caminho para a empresa privada e, depois, voltou ao negócio pagando um valor dez vezes maior que o preço original.

Nesta terça-feira, deputados de vários partidos vão se reunir com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, e entregarão um documento com quinze razões favoráveis ao afastamento de Eduardo Cunha da presidência da Câmara. Assinam esse documento o PSOL, PT, Rede, PCdoB, PDT e PPS. “Sua manutenção como presidente da Casa e no exercicio do mandato impede que o interesse público predomine nos trabalhos do Parlamento, já que ele exerce grande influência sobre um grupo de deputados” – afirmou a liderança do PSOL, em nota.

A Rede também protocolou, nesta terça, uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) no STF pedindo o imediato afastamento de Cunha da persidência, “tendo em vista que um réu de ação criminal não pode estar na linha sucessória da Presidência da República”.

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA