Grupo de mulheres se acorrenta à cerca em frente ao Planalto

BRASÍLIA – Depois que os manifestantes se dispersaram, um grupo de mulheres militantes permanece na frente do Palácio do Planalto. Algumas delas se acorrentaram à grade e se recusam a deixar o local, enquanto outras gritam palavras de ordem em roda.

Elas reclamam do novo governo Temer, por ter acabado com a pasta das Mulheres e dos Direitos Humanos. Segundo Rogéria Peixinho, da Articulação de Mulheres Brasileiras, esses são sinais de uma política que não olhará para minorias.

— É um governo machista, racista, que não tem mulher — diz Rogéria.

Tati Magalhães, militante feminista, acorrentou o próprio pulso à cerca e diz que só sairá quando a tirarem.

— Não aceitaremos um governo golpista, machista. Vamos resistir — disse.

Após a confirmação de que será o novo presidente em exercício, Michel Temer anunciou a nova composição de seu ministério. Entre os 20 ministros que tomarão posso hoje às 15h, não há nenhuma mulher ou negro, fato que tem gerado repercussão negativa.

ver mais notícias