Gim Argello usou até igreja para movimentar parte da propina de R$ 5,3 milhões, diz MPF

SÃO PAULO e CURITIBA – O Ministério Público Federal (MPF) disse nesta terça-feira que as propinas pagas ao ex-senador Gim Argello (PTB-DF) chegaram a mais de R$ 5,3 milhões. Este seria o montante recebido por ele para barrar investigações relacionadas às empreiteiras UTC e OAS na CPI da Petrobras, instalada em 2014. O ex-senador Gim Argello (PTB-DF) foi preso preventivamente na manhã de hoje 28ª fase da Operação Lava-Jato. A Força-Tarefa frisou que esta operação não investiga outros políticos envolvidos no esquema. (PF EXPLICA OPERAÇÃO. ASSISTA)

Segundo os procuradores, Argello recebia dinheiro para não convocar empreiteiros para depor na Comissão Parlamentar de Inquérito. Além de delações que indicavam a participação de Argello no esquema , a Polícia Federal disse que houve interceptações de ligações telefônicas e outros materiais apreendidos que comprovam o crime de corrupção.

A propina era recebida também por partidos e grupos políticos indicados pelo então senador — foram citados DEM, PR, PMN e PRTB. Ao lado do PTB, eles formaram em 2014 a coligação “União e Força”, pela qual Gim Argello era candidato a senador pelo DF. De acordo com a Força Tarefa, não há indícios de que os partidos beneficiados sabiam das negociações e da origem ilícita dos recursos.

O dinheiro vinha por meio de doações a partidos políticos que compunham a coligação. Além disso, R$ 350 mil foram pagos à Paróquia São Pedro, em Taguatinga, no DF, frequentada por Gim. Segundo a Força-Tarefa, a paróquia foi indicada por Gim para receber doação — numa conta corrente da igreja. As investigações sobre a paróquia ainda estão em andamento e, por enquanto, não há indícios de que seus membros tinham conhecimento da origem ilícita do dinheiro.

— Não temos, nos documentos da Lava-Jato, documentos de qualquer pessoa com foro — disse o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, salientando que esta investigação ocorreu após a separação dos processos entre quem tem foro (com o Supremo Tribunal Federal e a Procuradoria Geral da República) e quem não tem (com Curitiba).

Segundo o MPF, o pagamento à paróquia é associado a uma pessoa identificada como “Alcoólico”, que seria o apelido de Gim Argello, por ser um trocadilho com a bebida “gim”. O apelido apareceu em troca de mensagens de Léo Pinheiro com Otávio Marques de Azevedo, presidente da Andrade Gutierrez, outra empreiteira envolvida no esquema da Petrobras.

Segundo o procurador Athayde Ribeiro Costa, é uma “gravidade e audácia” de Gim Argello usar a CPI para cometer crimes.

— O crime foi dotado de inusitado atrevimento porque foi uma corrupção para cobrir corrupção mesmo depois da deflagração da Operação Lava-Jato. É gravíssimo usar uma CPMI para praticar crimes que deveriam ser investigados.

DELCÍDIO E RICARDO PESSOA DELATARAM

Gim Argello apareceu nas delações do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) e do dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa na Lava Jato. Segundo o Ministério Público, há evidências do pagamento de propina a Gim de R$ 5 milhões pela UTC e de R$ 350 mil pela OAS.

Os integrantes da Força-Tarefa destacaram, no entanto, que as investigações da nova fase não se baseiam apenas nos acordos de colaboração, mas também em provas materiais como dados telefônicos e mensagens apreendidas no celular de Léo Pinheiro, da OAS.

O ex-senador participou das duas CPIs da Petrobras que funcionaram em 2014. Além de ter sido vice-presidente na comissão mista, foi indicado para a comissão exclusiva do Senado. Nenhum executivo foi convocado, nem sigilos foram quebrados.

Nesta terça-feira, a Polícia Federal cumpriu 22 mandados judiciais, sendo dois de prisão temporária, um de prisão preventiva, 14 de busca e apreensão e cinco de condução coercitiva. A sede da empreiteira OAS, na região central de São Paulo, é um dos alvos de busca e apreensão da nova fase.

Os presos temporários são Paulo Cesar Roxo Ramos e Valério Neves Campos, ambos ligados a Argello. Eles foram apontados pelo MPF como operadores do esquema e responsáveis pela indicação de partidos quePresos em Brasília, eles e o ex-senador serão levados a Curitiba ainda na tarde desta terça-feira.

Foram conduzidos coercitivamente: Jorge Argello Júnior, filho do ex-senador Gim, Roberto Zardi Ferreira Jorge, Gustavo Nunes da Silva Rocha, Dilson de Cerqueira Paiva Filho e Marcos Paulo Ramalho, todos executivos da OAS. Esses dois últimos estão sendo ouvidos na Polícia Federal em São Paulo.

OUTRO LADO

Em nota, a OAS informou “que estão sendo prestados todos os esclarecimentos solicitados e dado acesso às informações e documentos requeridos pela Polícia Federal, em sua sede em São Paulo, na manhã desta terça-feira. A empresa reforça que está à inteira disposição das autoridades e vai continuar colaborando no que for necessário para as investigações”.

ver mais notícias