Ex-ministra do Meio Ambiente receberá quarentena

BRASÍLIA – Izabella Teixeira, ex-ministra do Meio Ambiente, é a 12º integrante do Ministério da presidente afastada Dilma Rousseff a ter quarentena – seis meses recebendo salário mas sem trabalhar, para evitar conflito de interesses – autorizada pela Comissão de Ética Pública da Presidência (CEP). A comissão já recebeu 165 pedidos para a remuneração compensatória.

Também foram deferidos os pedidos de quarentena nesta terça-feira para Luciano Coutinho (ex-presidente do BNDES), Maurício Tolmasquin (ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética), Guilherme Ramalho (ex-secretário-executivo e ex-ministro interino da Aviação Civil) e Regina Miki (ex-secretária nacional de Segurança Pública).

A comissão já havia autorizado o benefício para os ex-ministros Jaques Wagner (Gabinete Pessoal), Aldo Rebelo (Defesa), Miguel Rossetto (Trabalho e Previdência Social), Valdir Simão (Planejamento), Aloizio Mercadante (Educação), Tereza Campello (Desenvolvimento Social), José Eduardo Cardozo (AGU), Nelson Barbosa (Fazenda), Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), Eleonora Menicucci (Política para as Mulheres) e Luiz Navarro (CGU) – que foi nomeado para a própria comissão julgadora na véspera do afastamento da presidente Dilma Rousseff.

Desta vez, cinco ex-ministros de Dilma receberam resposta negativa da CEP. Entre eles está Alessandro Teixeira, que comandou o Turismo por menos de um mês. Ele notabilizou-se após sua mulher, a ex-miss bumbum Milena Santos, publicar fotos em rede social com um decote ousado apresentando o gabinete do então novo ministro e comemorando que seria “primeira-dama do Ministério do Turismo”.

Os ex-ministros Edinho Silva (Secretaria de Comunicação Social), Eugênio Aragão (Justiça), Nilma Lino Gomes (Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos) e Kátia Abreu (Agricultura) completam a lista de quarentenas negadas. Alexandre Tombini, que presidia o Banco Central, também teve pedido indeferido.

Já foram enviados à CEP 165 pedidos de quarentena. 46 foram autorizados, 78 negados e 41 ainda passarão por julgamento.

ver mais notícias