Em Brasília, manifestantes do PT se concentram no Museu da República

BRASÍLIA – Cerca de mil pessoas, nos cálculos da Polícia Militar, estão concentradas no Museu da República, no centro de Brasília, para a manifestação em defesa do governo e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. O protesto é organizado por entidades ligadas ao governo, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT). Há muitas pessoas vestidas de vermelho.

Segundo a PM, não há previsão dos manifestantes seguirem até o Congresso, trajeto muito comum nos protestos ocorridos em Brasília. O MST também chegou ao local para engressar o protesto

Em um dos carros de som, várias músicas estão sendo tocadas, entre elas “Pra não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré, um dos hinos contra a ditadura militar (1964-1985). Manifestantes chegam em grupos gritando palavras de ordem contra golpe e a favor da democracia.

— O Lula é meu amigo. Mexeu com ele, mexeu comigo — gritaram alguns manifestantes.

Há muitos policiais no local. Segundo a PM, por se tratar de um protesto organizado, o policiamento hoje é maior que nos dias anteriores, quando as manifestações foram espontâneas.

O motorista de ônibus Mauro Augusto Fernandes Gomes é um dos vários trabalhadores sindicalizados da CUT a participar do protesto. Carregando um cartaz em que se lê “Mais amor, menos ódio”, ele diz que Lula melhorou a vida dos mais pobres.

— O presidente que mais ajudou o trabalhador foi o presidente Lula. Foi quando o filho do pedreiro se tornou engenheiro. Se mexeu com Lula, mexeu comigo — diz ele.

O professor de História João Augusto de Freitas carrega uma cópia da Constituição em manifestação pró-governo. Enquanto a maioria veste vermelho, ele usa uma camiseta verde com uma estampa amarela que traz a imagem do ex-presidente Lula.

— Eu não vi nenhum motivo jurídico para o impedimento de Dilma. Alegam pedaladas fiscais. Pode ser um erro administrativo, mas não é motivo para impedimento — diz João Augusto.

A funcionária aposentada do Banco do Brasil Dione Barbosa é uma das manifestantes contrárias ao impeachment de Dilma.

— Vim protestar pela democracia, porque é um absurdo o que está acontecendo — diz ela, que afirma também ser válido protestar contra Dilma, mas fazendo uma ressalva: “Só acho que (os manifestantes pró-impeachment) deviam acabar com o ódio pelo outro lado. O que seria do azul sem o vermelho?

ver mais notícias