Curitiba reúne pelo menos 200 mil pessoas contra governo Dilma

CURITIBA – Duzentas mil pessoas, de acordo com informações preliminares da Polícia Militar, participaram da manifestação pedindo a saída da presidente Dilma Rousseff (PT), em Curitiba. Já os organizadores acreditam que são 100 mil participantes a mais. Os manifestantes começaram a se reunir por volta das 13h30m, na Praça Santos Andrade, no Centro da cidade, onde foi inflado um boneco gigante da presidenta com o nariz do personagem Pinóquio. Por volta das 14h30, a multidão caminhou em direção à Boca Maldita, local tradicional de protestos na capital. Durante toda a caminhada, os manifestantes insistiram em dizer que o protesto era apartidário. Em alguns momentos, os organizadores gritaram “Fora Aécio Neves” (PSDB-MG). Nenhuma confusão foi registrada pela PM.

A maioria das pessoas estava vestindo roupas nas cores verde e amarela e com faixas na cabeça em que estava escrito “Fora Dilma”. Muitos manifestantes levaram cartazes, principalmente com mensagens contra o ex-presidente Lula (PT). O fonoaudiólogo Gilberto Fagundes, 60 anos, que participava pela primeira vez das manifestações, levou uma cobra de brinquedo “em homenagem ao Lula”.

— Ele (Lula) deu a deixa — disse Fagundes se referindo a uma frase dita pelo ex-presidente, em que Lula se refere como jararaca, após ter sido conduzido coercitivamente pela Polícia Federal, na 24ª fase da Operação Lava-Jato, no dia 4 deste mês.

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava-Jato, e a Polícia Federal foram bastante homenageados pelos manifestantes. Máscaras com o rosto do juiz foram distribuídas no começo do protesto. A analista de crédito, Bruna Dias, 23 anos, era uma das que usavam a máscara.

— Não é só a saída da Dilma, é da corja inteira — disse a analista que também participou pela primeira vez das manifestações contra a presidenta.

Os trios elétricos que davam apoio à manifestação começaram a chegar por volta das 15h30m no local de encerramento do protesto. Em cima do primeiro carro, um policial militar orientava a multidão para evitar atropelamentos. Cada vez que um trio chegava, os manifestantes cantavam o hino nacional e gritavam palavras de ordem. Duas horas após o início da caminhada, a multidão começou a se dispersar.

Ao final do protesto, um dos grupos organizadores convocou a população para colocar uma bandeira do Brasil na janela de casa e para participar de uma nova manifestação que ocorrerá amanhã, às 9h, em frente ao prédio da Justiça Federal. Outro grupo, dos intervencionistas, aproveitou o número reduzido de manifestantes para colocar uma faixa pedindo intervenção militar.

ver mais notícias