Cristovam Buarque anuncia apoio ao impeachment de Dilma

BRASÍLIA – O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) anunciou apoio à abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado, informou a assessoria de imprensa do PPS nesta quinta-feira. Com isso, já são 44 senadores favoráveis e 18 contrários à continuidade do processo.

“Eu vejo uma manifestação clara contrária a um governo que deixou esgotar o modelo que tínhamos adotado no Brasil. Um governo formado por um partido que se elegeu defendendo a ética e se mostrou o mais corrupto da história. Um governo incompetente. Uma presidente que mentiu para se reeleger e no dia seguinte fez tudo diferente do que havia prometido. O impeachment é o resultado de uma grande insatisfação da nação e com dois agravantes: a corrupção mostrada pela Lava-Jato e a manifestação do Tribunal de Contas da União (TUC) de que houve crime de responsabilidade, o qual a Constituição permite a abertura de cassação. É isso que estou vendo”, disse Cristovam em nota encaminhada pelo PPS.

“Não tem golpe. Está previsto na Constituição. Porém, o que pesa nos formadores de opinião da esquerda tradicional, que em grande parte estão nas universidades e nos meios artísticos, é a necessidade de uma nova eleição. Não estou me referindo aqui aos docentes que dependem de cargos do governo ou de petistas que estão cegos e não veem nada de errado. Falo daqueles que de fato estão descontentes com este governo. Da mesma forma que questionam a aliança entre Lula e Dilma com Paulo Maluf, eles também questionam, por exemplo, o fato de políticos como Jair Bolsonaro estar do nosso lado defendendo o impeachment. Isso passa um pouco de insegurança para alguns intelectuais dos quais precisaremos no futuro para a construção de um novo País. Precisamos vencer isso”, acrescentou Cristovam.

Ele afirmou também que o vice-presidente Michel Temer, que assume o cargo em caso de afastamento de Dilma, precisa retomar a credibilidade: “E aí vai depender de quem ele nomeia como ministro. As medidas que tomará do ponto de vista do ajuste fiscal. As primeiras medidas de longo prazo, porque mesmo sendo apenas dois anos, não se pode de deixar de pensar na educação, saúde e na inovação tecnológica. Se ele não conseguir administrar o caos instalado na área de saúde, por exemplo, já terá fracassado”.

Para que o impeachment prossiga e Dilma seja afastada por 180 dias até a conclusão do julgamento, e caso todos os 81 senadores estejam presentes, são necessários 41 votos favoráveis ao processo. Posteriormente, no julgamento que poderá absolvê-la ou definir sua saída definitiva do cargo, são necessários 54 votos para ocorrer o impeachment.

Antes de chegar ao Senado, é preciso que o plenário da Câmara aprove neste domingo a abertura do processo. Para isso, é necessário o apoio de pelo menos dois terços dos deputados, ou seja, 342 dos 513. Reservadamente, o governo já vem admitindo que não conseguirá barrar o impeachment na Câmara, por isso é importante reverter os votos no Senado, casa que tem a palavra final para determinar o afastamento temporário e definitivo da presidente. Levantamento feito pelo GLOBO mostra que há 18 senadores contra o impeachment. Outros 20, que incluíam Cristovam, estavam indecisos ou não quiseram se manifestar. Agora são 19. Um, o senador Walter Pinheiro (sem partido-BA), não quis se manifestar.

ver mais notícias