Com novo protocolo, FAB transporta órgão ao Ceará

BRASÍLIA – O bancário aposentado Osmar Teroço, de 60 anos, consultou sua posição na lista de espera por um fígado na última sexta-feira e constatou que era o quinto na fila. No começo da manhã de ontem, numa nova consulta na internet, Teroço viu que saltara para a primeira posição. Uma hora depois, pelo telefone, chegou a boa notícia do Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Federal do Ceará (UFC): um fígado saudável foi ofertado a Fortaleza. O órgão chegou a tempo, graças ao novo protocolo adotado por decreto do presidente interino Michel Temer, após série de reportagens de O GLOBO revelar a recusa de pedidos de transporte por falta de aeronaves em solo.

O órgão só não foi implantado por razões puramente médicas. O fígado não era compatível, fator que acompanha a angústia de quem está na fila de espera. Outro órgão, que não chegou pela FAB, estava sendo transplantado ontem à noite.

Desta vez, o transporte não foi um impeditivo ao transplante. A Força Aérea Brasileira (FAB) transportou o órgão de Natal à capital cearense no fim da tarde de ontem. Teroço seria o primeiro a fazer uma cirurgia, recebendo um órgão transportado pela FAB, depois do decreto presidencial que reserva pelo menos uma aeronave da FAB exclusivamente ao transporte de órgãos destinados ao transplante. O decreto foi assinado na última segunda-feira, um dia depois da reportagem do GLOBO revelar que a Aeronáutica recusou pedidos para transportar 153 corações, fígados, pulmões, pâncreas, rins e ossos entre 2013 e 2015. Nos mesmos dias das recusas, a FAB atendeu a 716 requisições de transporte de autoridades.

Um decreto de 2002 obriga o atendimento a ministros e presidentes de poderes. O deslocamento de órgãos era assegurado apenas por acordo de cooperação com o Ministério da Saúde. O decreto publicado na terça-feira tem força de lei e determinou que a FAB “manterá permanentemente disponível, no mínimo, uma aeronave que servirá exclusivamente a esse propósito (transporte do órgão ou do paciente, dependendo do caso)”.

O fígado que surgiu em Natal, e foi descartado, não teria chances de chegar a Fortaleza, uma distância de 532 quilômetros, se não fosse por meio de um avião da FAB. A central de transplantes constatou existir voos comerciais apenas pela manhã e, então, acionou a Aeronáutica. A instituição colocou à disposição um Bandeirante C-95. A aeronave partiu de Recife para Natal e, já com o fígado embarcado, de Natal a Fortaleza. Pousou às 18h30m na capital cearense. Este foi o segundo transporte de órgão após o decreto. O primeiro buscou um fígado em Salvador e o levou a Recife, na noite de quinta-feira, mas o transplante também não foi realizado por conta das condições do órgão.

otimismo até o contratempo

A cirurgia de Teroço começou às 19h de ontem e duraria mais de cinco horas. A cirurgia foi interrompida e retomada com a chegada do novo órgão. O bancário tem uma cirrose grave, que resultou em câncer no fígado. Saiu com a mulher do Paraná para fazer o tratamento em Fortaleza.

— Há três anos estamos nessa caminhada toda. Alugamos uma quitinete perto do hospital. A espera na fila é muito difícil e angustiante — diz a costureira Sandra Aniceto, 47 anos, mulher de Teroço.

O bancário tem três filhos e integrava a fila de quase cem pacientes à espera de um fígado no HC. Para a produção da série de reportagens, O GLOBO esteve no ambulatório, coordenado pelo médico José Huygens Garcia.

ver mais notícias