Cerveró disse que pagou propina de R$ 5,5 milhões a Renan, Jader e Delcídio

BRASÍLIA – O ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró disse, em delação premiada, que pagou propina no valor de US$ 5,5 milhões ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e aos senadores Jader Barbalho (PMDB-PA) e Delcídio Amaral (sem partido-MS). Em troca, teria recebido apoio para se manter na Diretoria Internacional da Petrobras. O pagamento teria sido realizado em um jantar na casa de Jader, em Brasília.

A promessa do pagamento de propina teria sido acertada também em um jantar na casa de Jader, em 2006, no qual também estariam presentes Renan, o ex-senador Sérgio Machado e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Na ocasião, Cerveró prometeu pagar US$ 6 milhões aos políticos do PMDB. Eles gastariam o dinheiro em campanhas eleitorais.

O dinheiro da propina teria sido proveniente de contratos firmados pela Petrobras nas aquisições de dois navios-sonda. Também na delação, Cerveró disse que o negócio rendeu propinas no valor total de US$ 20 milhões. Do total, US$ 5 milhões teriam ido para o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que responde a inquérito no STF por conta dos indícios de recebimento de propina. O restante do dinheiro desviado do contrato é alvo de investigação conduzida pelo juiz federal Sérgio Moro, que comanda a Lava-Jato no Paraná.

Na delação, Cerveró também disse que repassou US$ 800 milhões de dólares a Delcídio Amaral, para serem gastos na campanha para o governador de Mato Grosso do Sul em 2006.

ver mais notícias