Cármen Lúcia recomenda cautela em decisões sobre posse de ministros

BRASÍLIA – A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que há “excessiva judicialização” sobre a nomeação de ministros para o governo. Ela cobrou mais prudência da Justiça na análise de ações questionando as escolhas da presidente Dilma Rousseff para integrar sua equipe. A opinião foi manifestada em uma ação em que o PPS pede a nulidade da posse do procurador da República Eugênio Aragão para o Ministério da Justiça. Antes de tomar a decisão no processo, a ministra pediu informações ao governo.

Ela citou também o caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tomou posse como chefe da Casa Civil no mês passado, mas uma liminar do ministro Gilmar Mendes, também do STF, suspendeu o ato. A situação do petista deve ser definida pela corte na próxima semana, quando o plenário decidirá se ele pode ou não exercer o cargo.

“A excessiva judicialização da matéria relativa ao processo de escolha e de nomeação para cargos governamentais de inegável importância (…) impõe dose maior de prudência para a solução das questões postas a exame”, escreveu Cármen Lúcia. “A decisão sobre a matéria posta exige prudência para além do rotineiro, por se cuidar de pleito de afastamento de agente político nomeado para substituir outro antes afastado na esteira de julgamento levado a efeito por este Supremo Tribunal”, concluiu.

Na terça-feira, uma juíza da primeira instância do Distrito Federal suspendeu, por liminar, a posse de Aragão. Argumentou que, segundo a Constituição Federal, membros do Ministério Público não podem exercer cargos fora da instituição. Nesta quarta-feira, o Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região derrubou a liminar, garantindo que Aragão continue à frente do Ministério da Justiça. Antes de Aragão, Wellington César tinha sido nomeado para o cargo, mas foi retirado por decisão do STF. Cármen Lúcia criticou o vaivém de decisões judiciais.

“A alteração continuada de agentes políticos, mormente em caso como o presente, no qual se põe em questão o provimento de cargo de Ministro de Estado da Justiça, de importância estrutural central na Administração Pública Federal, e numa sucessão de mudanças que deixam em situação de incerteza outras instituições subordinadas ou vinculadas àquela chefia, há de ser considerada com cautela especial, mas com celeridade igualmente necessária”, ponderou.

ver mais notícias