Após três dias, estudantes deixam ocupação na Assembleia de SP

SÃO PAULO — A uma hora do fim do prazo dado pela Justiça para deixarem a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), os estudantes decidiram sair do plenário, que ocuparam desde a tarde de terça-feira. O grupo prometia permanecer até a instauração de uma CPI para investigar a máfia da merenda. O clima durante a saída, no entanto, foi de comemoração, com bateria e cantos.

— Tomamos um duro golpe da Justiça. Não vamos aceitar que nossos pais paguem pela corrupção — disseram, em jogral, os manifestantes:

— O governo decidiu pela truculência econômica.

Na quinta-feira, a Justiça havia estipulado uma multa de R$ 30 mil por dia para cada jovem que se recusasse a deixar a ocupação. A reintegração de posse seria cumprida após uma audiência de conciliação.

Para os estudantes, houve vitória em pautar a Alesp. Eles prometeram seguir em luta pela abertura da CPI e contra os envolvidos no escândalo da merenda. Os estudantes saíram cantando e carregando flores brancas na mão.

— (As flores significam) Que a gente venceu, que a nossa luta é legítima e pacífica — afirmou uma estudante.

(*Estagiário, sob a supervisão de Flávio Freire)

ver mais notícias