CM7

     
 
 
Manaus, 18 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Últimas Notícias / Brasil / Acordo com Samarco prevê R$ 1,6 bilhão para saneamento e reflorestamento

Acordo com Samarco prevê R$ 1,6 bilhão para saneamento e reflorestamento

Da redação | 02/03/2016 14:40

BRASÍLIA — O acordo do governo da presidente Dilma Rousseff com a mineradora Samarco, que será assinado às 15 horas desta quarta-feira no Palácio do Planalto, prevê gastos de R$ 500 milhões da empresa com saneamento básico nas regiões atingidas em Minas Gerais e no Espírito Santo e de R$ 1,1 bilhão com reflorestamento e recuperação de áreas de matas nativas. Fontes com acesso ao acordo relatam que a mineradora terá de reflorestar 10 mil hectares de vegetação – o equivalente à área de 10 mil campos de futebol — e recuperar outros 30 mil hectares. Se o valor gasto na iniciativa for menor do que o previsto, a área a ser recuperada deverá ser ampliada.

O documento a ser assinado prevê, ainda, um gasto anual de R$ 1,2 bilhão, nos próximos 15 anos, com a recuperação dos danos provocados pela maior tragédia ambiental do país. No começo de fevereiro, a empresa havia chegado a pedir a suspensão da ação civil pública em decorrência do rompimento da barragem.

Participam do acordo o governo federal, os governos de Minas e Espírito Santo, a Samarco e suas controladoras —a Vale e a BHP Billiton. Estas duas empresas arcarão com gastos caso a Samarco não tenha lastro financeiro para isso. Elas entram como garantidoras da operação.

A barragem de Fundão em Mariana (MG) rompeu-se em 5 de novembro e provocou destruição e mortes nos dois estados. O mar de lama chegou a Oceano Atlântico e os efeitos da tragédia ambiental ainda permanecem incalculáveis.

No mês passado, a Polícia Civil de Minas pediu a prisão preventiva de seis gestores da Samarco, apontados como responsáveis pela tragédia e indiciados por homicídio qualificado. Entre eles está o presidente licenciado, Ricardo Vescovi.

A previsão é que o gasto anual previsto de R$ 1,2 bilhão seja reduzido ao longo dos anos. A cada triênio, haverá uma avaliação desses gastos, com a existência de uma trava: os dispêndios seguintes não poderão ser nem 30% a mais nem 30% a menos do que o aplicado anteriormente.

Um dos focos do acordo é a indenização das vítimas do desastre:

— Não serão escolhidos os indenizados. Todos os atingidos vão ser indenizados. Para isso, será preciso identificar e cadastrar quem é atingido — diz uma fonte que participou das negociações.

Numa tentativa de não deixar exclusivamente com as empresas a tarefa de definir as indenizações, o governo busca a adesão do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). O movimento teria concordado em participar, mas não assinará formalmente o acordo. A Defensoria Pública da União (DPU) também atuará nas tratativas para as indenizações, segundo fontes ouvidas pela reportagem.

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA