Após delação da JBS, Temer perde aliados e enfrenta pior crise política

PSB, PPS, PTN e PHS anunciaram a saída da base aliada do governo

Após as delações dos irmãos Joesley e Wesley Batista, empresários da JBS, que envolvem o nome do presidente Michel Temer e do senador Aécio Neves (PSDB-MG). O governo enfrenta desde o último dia 17 a maior crise desde que Temer assumiu o Planalto.

Aécio foi afastado do mandato parlamentar pelo Supremo Tribunal Federal e Michel Temer passou a ser investigado por três crimes.

As delações geraram ainda mais impactos. As bancadas do PSB, PPS, PTN e PHS anunciaram a saída da base aliada do governo. Juntos são 66 deputados que passarão a fazer oposição.

O governo de Temer que antes tinha o apoio de 413 dos 513 deputados, conta agora com 347 parlamentares, segundo a publicação.

Em meio à crise, Temer continua se esforçando para conquistar no Congresso Nacional o apoio necessário para aprovar as reformas, entre as quais a da Previdência Social e a trabalhista.

Embora tenha sido pressionado pela oposição e até mesmo pela base aliada, o presidente já disse que não renunciará ao cargo e tem rebatido as acusações dos delatores da JBS e negado ter cometido irregularidades no mandato do presidente da República.

Após as delações, a Procuradoria Geral da República pediu e o Supremo Tribunal Federal autorizou a abertura de inquérito para investigar Michel Temer por três crimes: corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa.

Além disso, a Câmara dos Deputados já recebeu 17 pedidos de impeachment, movidos principalmente pela oposição e pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Fonte Agencia Brasil

ver mais notícias