Luxottica investirá mais de US$ 1,6 bi para acelerar expansão

PARIS E MILÃO – A Luxottica vai buscar acelerar seu crescimento investindo mais de € 1,5 bilhão (o equivalente a US$ 1,63 bilhão) ao longo dos próximos três anos, depois de as vendas e lucros da fabricante dos óculos Ray-Ban e Oakley alcançarem níveis recorde em 2015.

O gasto em digital, desenvolvimento de produtos e expansão para novos mercados vai ajudar a aumentar a receita já descontado o efeito cambial em 5% a 6% este ano e em uma taxa “de um dígito de médio a alto” em 2017 e 2018, disse a empresa nesta terça-feira. A Luxottica também informou que planeja recomprar até 2,1% de suas ações.

A demanda por óculos está crescendo em mercados emergentes, com mais de 2,3 bilhões de pessoas na Ásia, África e América Latina precisando de armações de óculos, segundo o Exane BNP Paribas. O tamanho da oportunidade e das mudanças — como a decisão da Kering, dona da Gucci, de desenvolver suas próprias operações nesse setor — levou a apelos para que a Luxottica desenvolvesse sua própria linha de lentes com prescrição médica. E com Luca Solca, do Exane, afirmando que uma fusão com a Essilor International faria sentido.

LUCRO SALTA 25%

Segundo Massimo Vian, diretor executivo da companhia, disse em entrevista, a equipe de fusão e aquisição da empresa é “hiperativa”, e que a Luxottica está “sempre com disposição de comprar”. Ele acrescentou que estão sempre analisando as opções, “principalmente no campo da distribuição”.

As vendas ajustadas em 2015 chegaram a € 9,01 bilhões, uma alta de 5,5% quando são excluídas as mudanças cambiais, disse a empresa em comunicado após o fechamento dos mercados na Europa. O lucro líquido ajustado saltou 24%, a € 854 milhões.

A recompra de ações será proposta aos acionistas no encontro anual no dia 29 de abril. Para financiar a aquisição dos papéis, a Luxottica vai retirar cerca de € 750 milhões de suas reservas extraordinárias. As ações da empresa, negociadas em Milão, encerraram a terça-feira em alta de 1,9%, a € 53,75, o que elevou o valor de mercado da companhia a € 26 bilhões.

ver mais notícias