Dólar sobe 2% e fecha em R$ 3,59 com atuação do BC; Bolsa cai 0,6%

P

RIO – Em vez da euforia esperada por muitos, o comportamento do mercado financeiro nesta segunda-feira após o “sim” dos deputados ao impeachment da presidente Dilma Rousseff seguiu à risca a máxima de que os papéis sempre “sobem no boato e realizam lucros no fato”. A Bolsa caiu, sobretudo pelo movimento de investidores embolsando os ganhos acumulados na semana passada; o dólar subiu, por sua vez, depois de nova intervenção bilionária do Banco Central (BC) para evitar desvalorização mais intensa da divisa americana. Enquanto isso, passada a votação da Câmara, os investidores passam a focar suas atenções no Senado e no perfil econômico de um eventual governo Michel Temer.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) encerrou em queda de 0,63%, aos 52.894 pontos, enquanto os pregões de Europa e EUA fecharam com ganhos. Já o dólar comercial terminou a sessão em alta de 2,04%, cotado a R$ 3,598 para venda. Na máxima, atingiu R$ 3,620.

No início do dia, a expectativa era de saltos nas ações e tombo no dólar. Crítico da política econômica no governo Dilma, o mercado vem reagindo de forma positiva ao aumento das probabilidades de afastamento da presidente. Na semana passada, o índice de ações Ibovespa saltou 5,84%, enquanto a divisa americana recuou de R$ 3,597 para R$ 3,526.

Os papéis de companhias brasileiras lá fora registravam valorização, e o dólar chegou a abrir em queda, logo após as 9h, de 1,33%. Alguns minutos depois, porém, o BC chamou leilão que não estava previsto de até 80 mil contratos de “swap cambial reverso”, operação que equivale à compra de dólares no mercado futuro. O leilão foi realizado entre as 9h30m e 9h40m e, no fim, o BC encontrou demanda apenas para 68.840 contratos, em um total de US$ 3,427 bilhões.

Na semana passada, BC já havia colocado um total de US$ 24,7 bilhões em contratos de “swap cambial reverso” no mercado. O objetivo era evitar que o otimismo dos investidores com a possibilidade de impeachment desvalorizasse demais o dólar, o que prejudicaria as exportações e as empresas que vinham se preparando para uma alta da moeda. Apesar de toda essa artilharia, na semana a moeda recuou 1,97%.

Depois da ação da autoridade monetária no início da manhã desta segunda-feira, o dólar passou a subir. Na máxima, a divisa atingiu R$ 3,620 pouco depois das 10h, quando abriu a Bovespa. A Bolsa começou a despencar logo após a abertura, afundando 1,73%, à mínima de 52.305 pontos, em 19 minutos. Depois, porém, acompanhou o movimento de recuperação do petróleo e apagou parte das perdas, chegando a ficar no terreno positivo em alguns momentos do dia.

— Havia, de fato, muita ansiedade para a abertura dos negócios. Mas dois fatores fizeram com que a abertura fosse decepcionante. A explicação mais clássica é de que o mercado antecipou a aprovação do impeachment até a sexta passada. Portanto, hoje, a máxima de que os investidores realizam lucros no fato funcionou muito bem — contou Raphael Figueredo, analista da Clear Corretora. — O segundo fator foi o petróleo, que estava em queda intensa e acabou ajudando a fortalecer inclusive o dólar.

O petróleo teve um começo de sessão muito negativo nessa segunda, depois de a reunião entre os principais países produtores sobre uma proposta de congelamento da produção fracassar no domingo. O barril do tipo Brent chegou a ter baixa de mais de 3%. Ao longo do dia, porém, recuperou-se e agora opera com alta de 0,12%, a US$ 43,15. A reversão na tendência do petróleo se deve a uma greve de trabalhadores do setor no Kuwait, que afeta a produção do país pelo segundo dia.

— A máxima maior do mercado é que ele sobe no boato e realiza no fato. É justamente isso que acontece hoje, sobretudo porque o fato é um fato pela metade. O impeachment precisa ainda passar no Senado, onde há chance de o PT barrar o processo. Logo, a cautela vai permanecer — afirmou Alfredo Sequeira Filho, presidente da assessoria de investimento DNA Invest, citando também a influência da queda do petróleo e do vencimento de contratos de opções sobre ações na Bolsa hoje.

PETROBRAS PN CAI MAIS DE 4%

Entre as ações brasileiras, a Petrobras ON caiu 1,26% (R$ 11,77), enquanto a PN teve baixa de 4,64% (R$ 9,24). Além da realização de lucros, os papéis foram impactados pela desvalorização do petróleo ao longo de grande parte do dia.

No setor bancário, o Banco do Brasil ON caiu 2,73% (R$ 22,08), o Bradesco PN desvalorizou-se 0,57% (R$ 26,06), enquanto o Itaú Unibanco PN teve baixa de 0,73% (R$ 32,70).

Na outra ponta do pregão ficaram as empresas de celulose, que são favorecidas pelo dólar mais alto por serem majoritariamente exportadoras. A Suzano PNA saltou 4,47% (R$ 13,08), enquanto a Fibria teve alta de 3,34% (R$ 32,16).

— Havendo mudança de governo, certamente o desafio não vai ser fácil, mas acredita-se que será muito melhor para a economia. O mercado ainda busca um novo equilíbrio de preço com base nessa expectativa. Será um processo. O mercado já começa a especular sobre saber quem serão as pessoas que vão compor um governo Temer — afirmou Rogério Freitas, sócio na Teórica Investimento.

Para Raphael Figueredo, da Clear, a queda de hoje não significa mudança de tendência para o mercado.

— O mercado ainda continua comprado a ideia de mudança de governo. Só que, até agora, o que está nos preços é a antecipação especulativa da saída de Dilma, não a entrada de Temer. Se ela de fato sair, a tendência é de uma realização forte. Depois, a relação do mercado com a entrada de Temer vai depender de sua política econômica.

JUROS FUTUROS RECUAM

Se a Bolsa caiu e o dólar subiu, o bom humor dos investidores se refletiu, ao menos, na expectativa de juros futuros. Os contratos DI com vencimento em janeiro de 2021 recuaram de 13,04% para 12,86% ao ano. A taxa indica a previsão do mercado financeira para a taxa básica de juros da economia, a Selic, naquela data. Já o contrato com prazo em janeiro de 2018 recuou de 12,96% para 12,82%.

— Os juros foram os que mais foram influenciados pela votação na Câmara porque, diferentemente da Bolsa, eles refletem de fato a percepção de risco atrelado ao país. Quanto menor o risco, menores os juros. A avaliação dos investidores é que, depois de ontem, diminui muito o risco de uma politica monetária e fiscal heterodoxas, já que espera-se uma mudança de governo — afirmou Paulo Gomes, economista-chefe da Azimut. — Também houve queda nas perspectivas de inflação e câmbio no Boletim focus do BC de hoje, o que tende a pressionar para baixo os juros.

ver mais notícias