Cenário político faz Bolsa cair 0,57%; dólar sobe a R$ 3,568

SÃO PAULO – O anúncio de medidas fiscais está no foco das atenções dos investidores neste início de semana, o que pressiona os papéis mais negociados na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). O Ibovespa registrava, às 12h41, recuo de 0,57%, aos 49.439 pontos, puxado pela Petrobras. Já o dólar comercial segue o exterior e opera em alta de 1,42% ante, cotado a R$ 3,566 na compra e a R$ 3,568 na venda.

Contribui para o mau desempenho da Bolsa a divulgação da gravação de uma conversa do ministro do Planejamento, Romero Jucá, que sugere um “pacto” para conter a Lava Jato. Luiz Roberto Monteiro, operador da Renascença Corretora, afirmou que o conteúdo da conversa afeta um governo que ainda é interino. Além disso, o cenário externo é desfavorável, com queda do preços das commodities e o temor de um novo aumento de juros nos Estados Unidos no curto prazo.

— Há o envolvimento do Jucá nessa gravação e ele é ministro de um governo que ainda nem começou e não apresentou as medidas do que vai fazer. O cenário externo também contribui, com a queda do petróleo e a possibilidade de alta de juros nos Estados Unidos — disse.

A nova meta fiscal de déficit fiscal, de R$ 170,5 bilhões, foi anunciada na sexta-feira à noite pelos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento e deve ser votada amanhã pelo Congresso Nacional. Paulo Eduardo Nogueira, economista-chefe da Azimut Brasil, lembra que essa votação irá ocorrer em meio à divulgação dessa conversa. “A divulgação ocorre na véspera da votação da nova meta fiscal e que será referência para eventual processo de responsabilidade caso tal meta não seja cumprida”, lembra o economista.

Em meio a esse cenário turbulento político, as ações da Petrobras registram forte queda. Os papéis preferenciais (PNs, sem direito a voto) recuam 3,03%, cotados a R$ 8,63, e os ordinários (ONs, com direito a voto) caem 1,23%, cotados a R$ 11,19. O ritmo de queda é bem superior ao registrado pelo petróleo no mercado internacional. O barril do tipo Brent cai 1,07%, a US$ 48,20.

Após abrir em queda, os papéis da Vale se recuperam. Os PNs sobem 1,22% e os ONs têm elevação de 2,97%. O setor bancário, de maior peso na composição do Ibovespa, também apresenta melhora. Os preferenciais do Itaú Unibanco e do Bradesco registram variação positiva de, respectivamente, 0,99%, e 0,28%.

No mercado de câmbio, segue a preocupação com um aumento de juros nos Estados Unidos e os sinais de uma economia ainda fraca na zona do euro. No exterior, o “dollar index’, tem leve queda de 0,12%, segundo a Bloomberg.

A grande expectativa, no entanto, é em relação às medidas fiscais. “Por aqui, o nosso dólar comercial deve acompanhar o exterior e abrir em alta, mas não deveremos ter grandes oscilações até a divulgação do pacote econômico do governo Michel Temer que deverá ser anunciado amanhã”, afirmou, em relatório a clientes, Jefferson Luiz Rugik, analista da Correparti Corretora de Câmbio.

ver mais notícias