Bolsa salta quase 5% e dólar cai a R$ 3,62 em reação a áudios de Lula

RIO – A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) dispara e o dólar comercial despenca nesta quinta-feira, com os investidores reagindo à divulgação de áudios de conversas entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula, na noite de quarta-feira. O índice de referência da Bolsa, o Ibovespa, salta 4,74%, aos 50.014 pontos. Na máxima do pregão, já chegou a subir 5,87%. Já o dólar comercial opera em queda de 2,99% contra o real nesta quinta-feira, cotado a R$ 3,625 para compra e a R$ 3,627 para venda.

Segundo analistas, os investidores interpretam que a contundência dos áudios pode agilizar a troca de governo. O mercado financeiro é, em grande parte, crítico à política econômica atual e reage com bom humor a notícias desfavoráveis à presidente Dilma.

Na manhã desta quinta, o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff desceram juntos a rampa interna do Palácio do Planalto, chegando ao Salão Nobre para a posse do petista como ministro da Casa Civil. Lula foi recebido por uma plateia de deputados e senadores do PT e da base aliada com gritos de “Lula, guerreiro do povo brasileiro” e “Não vai ter golpe”. Em seu discurso, Dilma atacou frontalmente a força-tarefa da Lava-Jato e condenou a liberaçao das gravações de sua conversa com Lula pelo juiz Sérgio Moro.

As ações de estatais registram forte alta. A Petrobras ON salta 9,06% (R$ 10,47), e a PN avança 11,34% (R$ 8,05). A Eletrobras PNB sobe 5,64% (R$ 11,05), enquanto o Banco do Brasil dispara 14,81% (R$ 20,77).

— A forte alta de hoje da Bolsa, sobretudo o desempenho de companhias mais expostas ao governo, reflete uma aposta de que deve haver uma mudança de governo. O vazamento das conversas intensifica o sentimento de hostilidade da população com relação ao governo. Independentemente de críticas que afirmam que as gravações foram ilegais, o vazamento dos áudios deixam a impressão de que o cerco se fechou e, a não ser que aconteça um milagre, o governo não tem mais condições de continuar — afirmou João Pedro Brugger, da Leme Investimento.

Ontem à noite, os papéis de empresas brasileiras cotadas na Bolsa de Nova York já haviam disparado com a notícia nas negociações pós-fechamento de mercado.

Globalmente, o pregão é favorável para moedas e ações de países emergentes, depois de o Federal Reserve (Fed, o BC americano) ter mantido, ontem, os juros no mesmo patamar em que estavam e ter sinalizado que o processo de alta das taxas nos EUA se dará em ritmo mais lento que o esperado até então.

ver mais notícias