Preços abusivos e uma nova audiência vai decidir sobre o jogo do Brasil em Manaus

121317_697x437_crop_57963a070d412Uma nova audiência de conciliação foi marcada para a próxima quarta-feira (27), entre representantes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), para tratar da proposta de diminuição de 60% dos valores dos ingressos para o jogo entre Brasil e Colômbia, no dia 6 de setembro, na Arena da Amazônia, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 e também sobre a realização do jogo na capital.

A audiência de conciliação começou sem atrasados, por volta das 10h, com portas fechadas, na 11ª Vara do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), após o a juíza Mônica Cristina Raposo, acatar a denúncia do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) em relação a prática de preços abusivos na compra dos ingresso. Na ocasião, ficou definida a suspensão da audiência por 48 horas para que seja realizada uma nova reunião.

“Foi solicitado mais 48 horas para convencer os dirigentes da CBF, sobre a redução, numeração e taxa única pela internet. Do outro lado, eles alegam que há contratos, a questão de logística e que ainda vão tentar encontrar uma solução, para que não haja transferência de jogo, o que seria inadmissível”, disse o procurador de Justiça, Otávio Gomes.

O advogado da CBF, Roosevelt Jobim Filho, afirmou que ainda há impasse sobre a redução de 60% no valor dos ingressos. “Há também um impasse na taxa dos ingressos e dos assentos numerados. Vamos analisar. Não sei se o jogo pode ser levado para outro local”, disse o representante da CBF, Roosevelt Jobim Filho.

Venda de ingressos suspensa 

Para a juíza Mônica Cristina do Carmo, que planejava divulgar uma decisão ainda hoje, a reunião pouco avançou. Enquanto isso, a venda dos ingressos continua suspensa.

“Suspendemos para a próxima quarta-feira, para a CBF analisar. Até o momento ela não teria sido intimada. O que ficou definido foi a obrigatoriedade das carteiras marcadas e taxa da internet. A minha decisão está sendo analisada. É um interesse de todos. Caso entre em contato consenso antes, irão nos informar”, disse a juíza.

Sobre a suspensão do jogo em Manaus, a juíza assegurou, que a informação é falsa. “Eles que cogitaram a ideia, mas que ainda não foi confirmado, pois Brasília está no circuito dos jogos, enquanto Manaus não”, disse a juíza.

Segundo o procurador geral do município, Marcos Cavalcanti, que também participou da audiência de conciliação nesta manhã, é interesse da Prefeitura de Manaus a realização do jogo na Arena da Amazônia.

“Temos uma boa avaliação em jogos realizados em Manaus. A Prefeitura quer que essa partida seja realizada em Manaus. A juíza deu um prazo para que a CBF avalie essa situação, mas tem coisas possíveis e impossíveis. A impossível é diminuir muito o valor dos ingressos”, avaliou o procurador geral do município.

O presidente da Federação Amazonense de Futebol (FAF), Dissica Valério, destacou que o Estado aguarda há muito tempo a realização do jogo em Manaus. “Alguns pontos já foram conversados. Agora o principal, que ainda não foi definido, é a questão da redução do valor. Esperamos que dentro deste prazo consigamos resolver esse problema, porque é extremamente importante para o futebol amazonense e do Brasil. Afinal de contas, há quase dez meses, estávamos tentando trazer esse jogo. É importante que ele aconteça na Arena da Amazônia”, destacou.

D24

ver mais notícias