Djokovic conquista o Oscar do esporte pela terceira vez na carreira

BERLIM – O Prêmio Laureus, considerado o Oscar do esporte, consagrou o tênis ao escolher, nesta segunda-feira, em Berlim, na Alemanha, Novak Djokovic e Serena Williams como os melhores atletas de 2015. Não era para menos. Na temporada passada, os dois venceram três Grand Slams e se consolidaram ainda mais na liderança do ranking do esporte.

No ano passado, o sérvio número 1 do mundo levantou o troféu na Austrália, em Wimbledon e nos Estados Unidos – em Roland Garros, foi derrotado na final pelo suíço Stanislas Wawrinka -, ganhou seis Masters 1000 e perdeu apenas quatro das 15 finais consecutivas que disputou. Campeão do Laureus em 2012 e 2015, ele repetiu a dose. Sempre simpático, surpreendeu a todos a começar seu discurso em alemão, para depois emendar em inglês.

– Estou muito orgulhoso em receber este prêmio. Nada seria possível sem a minha equipe e a minha família, que se sacrifica para que eu possa viver esse sonho. Foi o amor e a paixão pelo tênis que me trouxe aqui. O esporte é a inspiração para tudo na minha vida – disse o sérvio de 28 anos, que dedicou o prêmio a Niki Lauda e a Johan Cruyff.

Serena não ficou atrás. Em 2015, a americana de 34 anos só não venceu o US Open, no qual foi surpreendida pela italiana Roberta Vinci na semifinal. Com os títulos do Australian Open, Roland Garros e Wimbledon, chegou a 21 Grand Slams na carreira, um a menos que a alemã Steffi Graf. Vencedora do prêmio principal do Laureus em 2003 e 2010, ela também foi eleita o melhor retorno do ano em 2007, após uma temporada repleta de lesões em 2006. A tenista americana não compareceu à cerimônia.

Djokovic concorreu com o piloto de Fórmula-1 Lewis Hamilton, o jamaicano Usain Bolt, o jogador de basquete americano Stephen Curry, o jogador de futebol Lionel Messi e o golfista americano Jordan Spieth, que foi escolhido a revelação do ano.

Já Serena disputou o prêmio com as compatriotas Katie Ledecky (natação) e Carli Lloyd (futebol), a etíope Genzebe Dibaba (atletismo), a austríaca Anna Fenninger (esqui) e a jamaicana Shelly-Ann Fraser-Pryce (atletismo).

Mais uma vez, Daniel Dias levou o prêmio paralímpico da noite. O brasileiro, que não pôde comparecer ao evento – a partir de sexta-feira, ele disputa o evento-teste de natação no Estádio Aquático, na Barra, que será classificatório para as Paralimpíadas -, terminou 2015 com sete ouros e uma prata no Mundial da modalidade e é aposta de muitas medalhas para o Brasil nos Jogos, que começam dia 7 de setembro. Ele já havia sido eleito em 2009 e 2013.

Outros dois brasileiros na disputa, o skatista Bob Burnquist e o campeão mundial de surfe Adriano de Souza perderam na categoria esporte radical para o triatleta alemão Jan Frodeno, especialista em ironman.

Também foram premiados a seleção neozelandesa de rúgbi, os All Blacks, como melhor equipe; Niki Lauda, por sua carreira no automobilismo; e, em memória, o lendário ex-jogador e treinador holandês Johan Cruyff, que morreu de câncer no mês passado, aos 68 anos.

* A repórter viaja a convite do Laureus

ver mais notícias