CM7

     
 
 
Manaus, 18 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Esportes / Brasil tem atletas ‘pendurados’ por faltas ao exame antidoping

Brasil tem atletas ‘pendurados’ por faltas ao exame antidoping

Da redação | 17/05/2016 15:50

A pouco mais de dois meses dos Jogos do Rio, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) acendeu o sinal de alerta para atletas brasileiros que não estiveram disponíveis por duas vezes aos testes-supresa antidoping realizados pela Agência Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD). Pelas regras antidopagem, na terceira falta o atleta é considerado dopado — na prática, a tripla falta é equivalente a um teste que mostre a presença de diuréticos no organismo do atletas, usados para camuflar substâncias proibidas e atrapalhar o trabalho do controle de doping.

O diretor executivo de esportes do COB, Marcus Vinícius Freire, contou nesta terça-feira que há atletas brasileiros, entre os classificados para disputar os Jogos do Rio, que já se encontram na situação de dupla falta, no limite antes da punição. Ele não revelou quantos são nem de que esportes, e disse que não poderia identificar nomes. Nos últimos meses, a ABCD ampliou o número de atletas na lista dos que são submetidos a testes-surpresa. O protocolo prevê que os atletas informem à agências seus dias e locais de treinamento, por exemplo. Em vários casos, o agente da ABCD apareceu para fazer a coleta mas o atleta não estava, o chamado “no show”.

— Às vezes é por inexperiência, falta de hábito dos atletas. Às vezes eles têm compromissos, mudam suas agendas, e não avisam. Estamos com casos de duplas faltas, e isso preocupa. Sabemos quais são e o COB está em cima, alertando para que não ocorra a terceira falta e a punição — disse o dirigente, durante encontro com atletas na sede do COB nesta terça-feira.

Também nesta terça, o Comitê Olímpico Internacional (COI) informou que 31 atletas de 12 países foram pegos em exames antidoping feitos em amostras coletadas durante os Jogos de Pequim-2008. Ainda não foi revelada a identidade dos atletas, que estão banidos dos Jogos Rio-2016. O COI armazena as amostras dos atletas por até dez anos, para refazer os testes quando a tecnologia antidoping estiver mais evoluída, e foi isto que ocorreu agora. Foram refeitos testes em 454 amostras coletadas em Pequim.

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA