Steve Jobs levou 20 anos para descobrir o que Gates já sabia

São Paulo – Steve Jobs pode até ter um filme com seu nome e ser conhecido pela revolução dos smartphones e tablets. No entanto, quem realmente entendeu a importância das plataformas e de seu ecossistema foi Bill Gates.

A capacidade do fundador da Microsoft de captar rapidamente o valor de uma plataforma de abrangência industrial, em vez de focar apenas nos produtos, fez com que sua marca, em poucos anos, se tornasse a principal dentro da indústria de computadores pessoais (PCs).

Essa afirmação é feita no livro “Strategy Rules” (“Regras Estratégicas”) pelos professores da faculdade de negócios do MIT, David Yoffie e Michael Cusumano.

Segundo os autores, Gates entendeu isso desde o começo, enquanto o fundador da Apple levou cerca de duas décadas para perceber a mesma coisa.

Logo que Bill Gates lançou o sistema operacional Windows, ele permitiu que outros desenvolvedores criassem aplicativos para o software. Ao fazer isso, Gates conseguiu construir todo um ecossistema ao redor do Windows, que o ajudou a dominar o mercado de PCs durante anos. O ex CEO da Intel, Andy Groove, agiu da mesma maneira quando criou seus microprocessadores.

Já Steve Jobs, de acordo com os professores do MIT, focou apenas na criação de produtos com um design interessante, mas que não tinham um grande número de parceiros para ajudá-lo no desenvolvimento da marca.

Apenas em 2003 que o fundador da Apple entendeu isso e lançou o iTunes para o Windows. Aliás, não era para o primeiro iPhone ter uma loja de aplicativos com desenvolvedores de outras empresas.

No entanto, em 2008, os executivos da Apple conseguiram persuadir Jobs a abrir o sistema operacional para outras pessoas que quisessem criar seus próprios apps para o smartphone.

Em entrevista para o New York Times, os autores disseram que atuais líderes da tecnologia, como Larry Page do Google, Mark Zuckerberg do Facebook e Jeff Bezos da Amazon também têm um conhecimento profundo sobre a necessidade de abrir as plataformas para o mercado.

Fonte- Exame

ver mais notícias