Briga de Arthur Virgílio e José Melo poderá fortalecer a candidatura de Henrique Oliveira para prefeito de Manaus

O estremecimento na aliança entre o prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), e o governador José Melo (Pros), poderá favorecer a candidatura a prefeito do vice-governador Henrique Oliveira (SD), que até aqui caminhava só rumo ao pleito municipal.

Nesta terça-feira, aliados do governador começaram a admitir o fim da aliança estado/prefeitura e a conjecturar cenário no qual o grupo de Melo troca o apoio ao tucano por outra candidatura da base política do governo.

Nesse caso, a opção mais próxima é Henrique Oliveira, avaliou ontem para o BNC um aliado de José Melo. “Se o Arthur realmente romper com a gente, poderemos descarregar todo o nosso apoio no Henrique. Em quem mais poderia ser?”, disse.

A pergunta leva em conta o fato de que, depois de Arthur, o único candidato que surgiu no grupo do governador à sucessão municipal foi a do vice-governador, que parecia estar isolado entre seus parceiros.

Até semana passada, esse cenário foi rechaçado, inclusive quando o prefeito criticou publicamente, pela primeira vez, a reforma da saúde no Estado anunciada no dia 20 de maio, mas passou a ser admitido esta semana, quando Arthur retomou as críticas, tornando-as ainda mais duras.

Fez isso, por exemplo, ao pedir que as denúncias mostradas pelo programa Fantástico contra o governador fossem apuradas pela Justiça Eleitoral e pela orientação que deu à sua base parlamentar para atacar José Melo.

Apesar de traçarem o cenário excluindo o prefeito, os aliados de José Melo acham que Arthur não quer o rompimento, mas apenas pressionar o governador por liberação de recursos para Manaus, fato que é o cabo eleitoral mais importante para o prefeito.

Materia do Portal BNC- Neuton Correa

ver mais notícias