CM7

     
 
 
Manaus, 17 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Amazonas / PIM / Como continuar se divertindo em tempos de contenção de despesas

Como continuar se divertindo em tempos de contenção de despesas

Da redação | 02/04/2016 06:20

RIO – Quando o orçamento começa a ficar apertado, o lazer é o primeiro item a ser cortado da lista de gastos e o consumidor dá preferência para o que considera “essencial”, segundo levantamento realizado pela Boa Vista SCPC. Cinema, shows, festas e outros itens de diversão ficam mais escassos ou saem da rotina de 39% dos brasileiros, seguido por gastos com contas de consumo (18%) e de alimentação (15%). Mas como ninguém é de ferro, O GLOBO lista alguns benefícios e descontos oferecidos por empresas que podem aliviar o bolso dos clientes e ajudá-los a continuar se distraindo em meio à crise.

Nas classes A e B, o corte nos gastos com lazer é prioritário para 62% dos entrevistados, número que cai para 42% na classe C e para 34% nas classes D e E. A região Norte do país é a que mais tem redução, com 52%, seguida pelo Nordeste, com 50%, e pela região Centro-Oeste, com 42% dos entrevistados. O Sul (38%) e o Sudeste (36%) são os que menos cortam gastos no lazer quando a crise aperta.

O economista Flávio Calife, da Boa Vista SCPC, diz que a redução nos gastos com lazer entre as classes A e B é maior porque esse item também custa mais caro para os consumidores desta faixa de rendimentos:

— As classes A e B naturalmente viajam mais, frequentam restaurantes e bares mais sofisticados, por isso o gasto representa uma parcela maior no orçamento. Já as classes baixas procuram por programas gratuitos ou mais baratos.

Calife considera que os custos do lazer no Brasil não são elevados em relação a outros países, mas a renda média é baixa. Além disso, há pouca oferta de opções de lazer gratuito quando se compara com países desenvolvidos.

— O brasileiro não necessariamente elimina totalmente os gastos com lazer, mas este é um item mais fácil de se reduzir do que a alimentação, por exemplo — explica.

Para continuar se divertindo sem gastar muito, o jeito é garimpar as opções gratuitas de lazer ou buscar promoções e descontos oferecidos por empresas, como programas de fidelidade. A jornalista Luisa Caruso, de 23 anos, fez um cartão de crédito que dá direito a meia entrada no cinema, o que considera uma grande vantagem:

— Não dá para deixar de viver, de se divertir. E já que eu precisava de um cartão de crédito, por que não fazer um que me dê benefícios?

Luisa perdeu o direito à meia entrada há pouco mais de um ano, quando deixou de ser estudante, e diz que só continua frequentando o cinema em média duas vezes por mês por causa do benefício oferecido pelo cartão.

— Se não pagasse meia entrada, nem iria mais ao cinema, porque está muito caro. Tento economizar em outras coisas também. Vou às terças e quartas na manicure, por exemplo, que são os dias mais baratos, e sempre procuro promoções no supermercado. Ainda em relação ao lazer, fico de olho em programas culturais gratuitos.

Na internet também é possível encontrar sites de e-commerce local que oferecem promoções e descontos em serviços de todos os tipos. Um exemplo é o Groupon, que dedica grande parcela das ofertas para o lazer, oferecendo descontos que variam de 25% a 45%

— Somando ofertas de viagens, ingressos para parques de diversão, museus, teatros e shows, este é o principal setor do site, e a procura vem aumentando constantemente — diz João Pedro Serra, gerente-geral das operações do Groupon no Brasil.

MUSEUS CARIOCAS

Os principais museus do Rio de Janeiro cobram entrada, mas em dias e horários específicos, abrem para visitação gratuita. Às terças-feiras, a entrada para o Museu do Amanhã e para o Museu de Arte do Rio (MAR), ambos na Praça Mauá, no Centro do Rio, é gratuita. Nos outros dias, o ingresso custa R$ 10 a inteira e R$ 5 a meia. O Museu do Amanhã fica aberto das 10h às 18h e o MAR das 10h às 17h.

Já o Museu de Arte Moderna (MAM), no Flamengo, libera entrada gratuita às quartas, entre as 15h e as 18h. Basta chegar no horário e pegar uma das duas mil senhas disponíveis. Nos outros dias, os ingressos para as exposições custam R$ 14 (idosos e estudante têm direito a pagar meia e o mesmo preço serve para o ingresso família, aos domingos, com direito a cinco entrada), enquanto os da Cinemateca custam R$ 8.

OUTROS PROGRAMAS DE FIDELIDADE

Itaú

Dá direito a 50% de desconto em cinemas da rede Kinoplex, Espaço Itaú de Cinema, UCI Cinemas, Moviecom Cinemas, Cineart e PlayArt, de acordo com cada tipo de cartão oferecido pelo banco.

Bradesco

Oferece desconto de 50% para a compra de ingressos, pipoca e refrigerante na rede de cinemas Cinemark e também dá prêmios de acordo com gastos no cartão.

Santander

Desconto de 50% nas entradas de cinema e na pipoca e no refrigerante da rede Cinépolis, além de descontos para hospedagem em alguns hotéis.

Vivo

O programa Vivo Valoriza também dá desconto de 50% nas entradas do Cinemark e oferece entre 20% e 50% de desconto em algumas peças de teatro.

Ipiranga

O programa Quilômetros de Vantagens transforma a conta do combustível em pontos que podem ser acumulados e trocados por descontos em passagens rodoviárias, pacotes de viagens, ingressos para shows e cinemas e até por entradas para os jogos do campeonato gaúcho de futebol.

Net

Desconto de 50% em até quatro ingressos para peças no Teatro Net no Rio e em São Paulo e para shows no Net Live em Brasília. Os clientes também têm desconto de 50% para até dois ingressos nos cinemas Estação Net no Rio e Net Cineart em Belo Horizonte.

(*estagiário sob a supervisão de Ana Perrone)

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA