Amazonas é 12º Estado do país mais violento com mortes por armas de fogo

Dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), do Ministério da Saúde (MS) mostram que o Amazonas registrou um crescimento de 216% no número de homicídios por arma de fogo, entre 1996 e 2014. O aumento é o 12º maior do País, no período, ficando atrás apenas de Estados como Ceará, Maranhão, Piauí, Pará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Sergipe, Minas Gerais, Goiás, Alagoas e Bahia.

Conforme as estatísticas, os assassinatos cometidos com armas de fogo representaram em 2014, 4,8% dos 15.706 homicídios totais, no Estado, com 765 mortes.

Na Região Norte, o Pará ocupa o primeiro lugar em mortes por ferimento à bala, com um crescimento de 585,5%, entre 1996 e 2014. Naquele período, os crimes do tipo saltaram de 359 para 2.461 ocorrências.

Em segundo na lista está o Amazonas, com um aumento de 216%, partindo de 242 mortes por arma de fogo, para 765. Tocantins (118%), Acre (65,2%), Amapá (63,7%) e Rondônia (45%) são sequência ao cresciemnto. Apenas Roraima apresentou queda na quantidade de vítimas baleadas fatais, uma queda de 4%.

No período analisado os homicídios por arma de fogo partiram de 79 para 173, em Tocantins; de 72 para 119, no Acre; de 91 para 149, no Amapá; e de 280 para 406, em Rondônia. As morte do tipo reduziram de 50 para 48, em Roraima.

Os homens corresponderam a 95,6% das vítimas de arma de fogo, em 2014, no Amazonas, totalizando 732 mortos em números absolutos. Jovens de ambos os sexos, na faixa etária de 20a 24 anos também chamam a atenção entre os mortos, com 183 casos. Em seguida está a faixa etária de 25 a 29 anos (152), a de 15 a 19 anos (118) e a de 30 a 34 anos (113).

Em 1996, os homens também eram maioria entre as vítimas fatais de arma de fogo, com 221 casos de um total de 242 mortes do tipo, o equivalente a 91,3%. Os jovens de 20 a 24 anos (49) e 15 a 19 anos (49) lideravam a faixa etária mais icidente entre os mortos por arma de fogo, naquele ano. Em seguida estavam os de 25 a 29 anos (45) e os de 30 a 34 anos (29).

ver mais notícias