Adaga de Tutancâmon é produzida com ferro de meteorito

RIO — Uma adaga encontrada no sarcófago do rei Tutancâmon veio, literalmente, do espaço. Uma análise realizada com modernos equipamentos de raio-X confirmaram que o ferro usado na peça colocada sobre a perna direita do jovem faraó é proveniente de um meteorito. O estudo, publicado no periódico “Meteoritics & Planetary Science“, comprova uma lenda sobre o “ferro que caiu do céu”, além de fornecer novas informações sobre a história da evolução das tecnologias de forja de metais.

“O nosso achado fornece entendimento importante sobre o uso do termo ‘ferro’, citado em relação ao ‘céu’ em antigos textos egípcios, mesopotâmicos e hititas”, diz o estudo. “O derretimento do ferro, se existia, deveria produzir ferro de baixa qualidade para a forja de objetos preciosos. Nesse contexto, a fabricação de alta qualidade da adaga de Tutancâmon é evidência do sucesso do trabalho com ferro no século XIV a.C”.

O estudo envolveu pesquisadores da Universidade Politécnica de Milão e da Universidade de Pisa, ambas na Itália, e o Museu Egípcio do Cairo, onde a peça está exposta. Quando descoberta, em 1925, por Howard Carter, a peça foi descrita como uma “adaga de ouro altamente ornamentada com botão de cristal”. A lâmina é de metal não oxidado e homogêneo, fixada em alça de ouro decorada. A bainha também é de ouro, decorada com motivos florais de um lado e com padrão de penas do outro, terminando com a cabeça de um chacal.

A análise não invasiva foi realizada com um espectrômetro de fluorescência de raios-X, capaz de analisar a composição química dos materiais. Enquanto artefatos produzidos com minério de ferro apresentam no máximo 4% de níquel, a lâmina da adaga de Tutancâmon contém cerca de 11%.

— O ferro de meteorito está claramente indicado pela presença de alta porcentagem de níquel — disse a líder do estudo Daniela Comelli, do departamento de Física da Politécnica de Milão, ao Discovery News.

Além do ferro e do níquel, os meteoritos também possuem menores quantidades de fósforo, enxofre, carbono e cobalto, outro indício da origem do metal da adaga.

— As taxas de níquel e cobalto na lâmina da adaga são consistentes com as de meteoritos ferrosos que preservaram as características dos condritos primitivos durante a diferenciação planetária do início do sistema solar — disse Comelli.

Os investigadores também buscaram a possível fonte do metal da adaga. Considerando um raio de 2 mil quilômetros ao redor do Mar Vermelho, foram encontrados 20 meteoritos ferrosos catalogados. Um deles, batizado como Kharga, possui taxas de níquel e cobalto consistentes com as da adaga. O fragmento de meteorito foi encontrado em 2000 em Mersa Matruh, a cerca de 240 quilômetros de Alexandria.

O estudo mostra que os antigos egípcios atribuíam grande valor ao ferro de meteoritos para a produção de objetos preciosos, provavelmente percebendo esse material como uma mensagem divina vinda dos céus. Até porque a adaga não é a única peça celestial encontrada no sarcófago de Tutancâmon. O colar peitoral possui um amuleto de escaravelho esverdeado, produzido com vidro de sílica do deserto. Esse vidro foi formado pelo impacto de um meteorito ou cometa nas areias do deserto, e só existe de forma natural no Grande Mar de Areia, no deserto líbio.

ver mais notícias